sábado, 30 de abril de 2011

Música Instrumental

Em sua sexta edição, o Festival BNB da Música Instrumental promove a diversidade musical, estimulando a fruição e conhecimento à produção instrumental. A programação acontece de 17 a 28 de maio.

Embora a produção nordestina seja destaque, a programação do VI Festival BNB da Música Instrumental traz representantes de três regiões do Brasil e até da América do Sul. Os três CCBNBs (Fortaleza e Cariri, no Ceará; e Sousa, na Paraíba) receberão juntos 21 formações instrumentais oriundas de onze estados (Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Alagoas, Maranhão, Sergipe, Bahia e Piauí, da região Nordeste; Distrito Federal, Centro-Oeste; e São Paulo, do Sudeste). Além destes teremos participação de músicos argentinos, representado pelo grupo instrumental feminino Las Rositas Tango Trio.

Dezenas de músicos com diferentes trajetórias, influências e propostas estéticas, além de uma variedade de sonoridades que serão apresentadas durante os 12 dias de realização do evento. É assim que esperamos que mais uma vez o festival contribua para o fortalecimento dessa celebração musical, tendo você como nosso convidado especial.


LAS ROSITAS Tango Trio (Argentina)


O trio argentino formado por mulheres apresenta seu mais novo trabalho instrumental intitulado "Las Estaciones", um espetáculo emotivo de interpretação singular aliado à força expressiva das três jovens: Gabriela Palma (Violino), Cecília Palma (Viola) e Ana Belén Disandro (Piano). O grupo foi criado em 2007 com o objetivo de representar um dos gêneros musicais mais populares de seu país, o Tango. Las Rositas é uma proposta instrumental com um formato atípico, para interpretar de Gardel a Piazzolla, clássicos do estilo, com roupagem moderna. O grupo ostenta algumas premiações de destaque, a exemplo do título Conjunto Revelação, conferido pelo Festival de Cosquin em 2009 e o primeiro lugar na Segunda Selección de Conjuntos Orquestrales de Tango, de Buenos Aires. Além da Argentina, já realizaram concertos no Chile, Uruguai, Peru e Brasil. Contato: www.myspace.com/lasrositastriodetango, info@difusafronteira.com

BANDA CABAÇAL DO ZÉ PRETINHO (PB)
Composta por seis irmãos da família Lopes, foi fundada em 1971 na cidade de Tavares-PB. De acordo com o senhor Zé Pretinho, mestre e líder do grupo e que aprendeu a tocar pífano com o pifeiro Joaquim Bino, ele decidiu montar a banda com seus irmãos porque não havia mais tocadores de pífanos na cidade, pois o seu único parceiro, o mestre Bino, devido à idade, não conseguia mais fazer ecoar o som de seu pífano. Com muita criatividade, Pretinho improvisou os instrumentos: lata de doce virou caixa, baldes de alumínio zabumba, tampas de panelas os pratos e canos de ferro os pífanos. Depois, confeccionou os instrumentos de percussão com troncos de árvores e couro de bode, e os pífanos de taboca. Hoje, devido à escassez de matéria-prima, esses artistas do som tocam com pífanos de alumínio, confeccionados por Zé Pretinho, e instrumentos de percussão industrializados.

BANDA SYNKRASIS (CE)
A Banda Instrumental Synkrasis consiste em um projeto que pretende fomentar a música instrumental no Cariri. O grupo surge com um trabalho autoral no qual se encontram fortes influências do jazz-fusion e da música brasileira. Além de suas próprias composições, a banda Synkrasis desenvolve releituras de clássicos da música ocidental. No ano de 2010, destacam-se as apresentações no projeto Música no Campus e no II Simpósio de Guitarra no Cariri, ambos os eventos promovidos pela Universidade Federal do Ceará. O grupo é formado por: Diego Souza (teclado), Robson Almeida (sax), Ivânio Azevedo (guitarra), Ellison Alencar (contrabaixo) e Wendel Leite (bateria). Atualmente a banda realiza shows pela região do Cariri e está em fase de elaboração de seu primeiro trabalho fonográfico.

BURRO MORTO (PB)
O Burro Morto surgiu mutilado, teve seus retalhos recosturados e agora percorre os caminhos sonoros atento às cores e nuances. Respira groove, enche os pulmões de psicodelia, entorta os compassos e regurgita melodias inusitadas. A inspiração vem do sangue que passeia pelas veias negras da terra antiga, que sai de Lagos, passa pelas dunas de areia escaldante, chega a Addis Ababa, escorre pelos ouvidos jazzistas no norte, desce ao estômago do deep funk e deságua novamente no terceiro mundo. É África-Brasil, via o jazzy groove gringo. Esse emaranhado de cabos, filtros, delays, climas, cinismo e subversão é manipulado por cinco mentes ácidas: Haley (sintetizadores, orgão), Daniel Ennes Jesi (contrabaixo), Ruy José (bateria), Pablo Ramires (percussão) e Léo Marinho (guitarra).

DUO FINLÂNDIA (CE)

Dois músicos. Dois países. Um argentino e um brasileiro. Música tradicional de ambos os países com ambientes contemporâneos. Finlandia é um duo formado por Maurício Candussi (Argentina) e Raphael Evangelista (Brasil). No palco, instrumentos acústicos como piano, acordeom e o violoncelo mesclado a bases eletrônicas focadas na música tradicional dos dois países em um show vibrante e profundo. Trata-se de um estudo de ritmos tradicionais conhecidos como o Tango, Bossa-nova e Samba tocados ao vivo. Porém o duo segue além e aprofunda-se em ritmos pouco difundidos fora de seus países como a Milonga, Frevo, Baião e Huaino. Toda esta musicalidade tradicional é inserida em um ambiente eletrônico proporcionando novas fusões entre o folk e o moderno.

FERNANDO CORBAL (DF)


Formado em Música pela Universidade de Brasília, compositor, toca violão, viola de 10 cordas, kalimba, piano e cristaleira (glass harmonica) - instrumento musical afinado com água pura, consiste num agrupamento geométrico de taças, dispostas estrategicamente, de forma a possibilitar uma execução polifônica, harmônica e melódica - a fricção da ponta dos dedos sobre as bordas das taças dá origem a um timbre raro. Executa obras autorais e de grandes nomes da música brasileira. Também se utiliza de instrumentos eletrônicos e atua em diversos segmentos artísticos, produzindo trilhas sonoras para teatro, vídeo e cinema. Foi agraciado com o Troféu Candango no XV Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, o Prêmio Concorrência Fiat, o Prêmio SESC de Música Instrumental e o Prêmio APAC. Convidado pelas embaixadas brasileiras, participou de projetos em Moçambique, Bolívia, Holanda, Bélgica, França, Líbano e Suécia.

FERRARO TRIO (SE)
O Power trio instrumental sergipano foi concebido e pensado no início de 2008, mas posto em ação apenas no primeiro semestre de 2009, um ano depois da decisão coletiva de colocar em prática o gosto pela música negra, pelos grooves do funk e da soul music e pela música instrumental. Formado por três músicos sergipanos, o Ferraro Trio é a consolidação de anos de amizade, trabalho coletivo e amadurecimento musical e pessoal, refletido no entrosamento do novo combo, que pretende tocar para um público amplo e variado, de jazzistas a rockers, além dos amantes da música negra em geral. As principais influências são a soul music e os grooves funky das gravadoras Motown e Stax. Músicas próprias e temas desses artistas fazem parte do repertório do grupo.

JÚLIO MEDEIROS (PI)
A trajetória musical começou na adolescência ao lado de Naeno, Zé Piau, Chagas e outros músicos do Grupo Varanda. Ganhou visibilidade no cenário piauiense ao vencer alguns festivais regionais. Ingressou na música instrumental e criou os grupos Haja Sax, Essa Banda, Club do Jazz, Chorando Baixinho e Banda Improviso. Grande incentivador cultural no Piauí, promoveu e participou de vários eventos como o Teresina Jazz, Artes de Março, Festival de Jazz de Pedro II, Festival de Oeiras, Festival de Choro em Teresina e o Festival de Jazz de Barra Grande. Na discografia os CDs "Fábula de um Arquiteto" (1995), "Notas e Croquis" (1999), "Pro Seu Domingos" (2003) e "Som da Arquitetura" (2010). Este último dá nome ao show e sintetiza a busca de integração entre a amizade e o trabalho de arquiteto e músico. Segundo Júlio Medeiros, a idéia foi traduzir através de composições já consagradas e outras inéditas, o som que lhe é transmitido no processo de criação tanto arquitetônico como musical. O CD é um conjunto de viagens de imagens e sons.


LUCIANO MAGNO (PE)
Compositor, arranjador, instrumentista, cantor e produtor musical. Iniciou-se na música em Recife, na década de 1990. Estudou no CEMO e no Conservatório Pernambucano de Música. Participou de três edições do Festival Canta Nordeste da Rede Globo, como integrante da orquestra do festival e em uma das edições como arranjador. Gravou com nomes como Hermeto Pascoal, Naná Vasconcelos, Dominguinhos, Alceu Valença e produziu CDs e DVDs de diversos artistas pernambucanos. Em 2000, lançou o seu primeiro disco instrumental, pela Polydisc/Sony, se apresentando no Montreux Jazz Festival na Suíça, tendo a participação do Maestro Spok e seguiu com várias apresentações no exterior em inúmeros projetos tanto em carreira solo como acompanhado de parceiros musicais do Trio Sotaque, André Rio, Lula Queiroga, Fábio Valois e Cacau Brasil. Em 2010, o seu frevo "Esquentadinho" recebe letra de Moraes Moreira, firmando assim a primeira parceria entre eles, e Roberto Menescal faz o "Samba Magno", em sua homenagem. Luciano Magno foi o grande vencedor do Festival de Música Carnavalesca do Recife 2011 com o frevo de rua "Pisando em Brasa", de sua autoria.

MARIMBANDA (CE)
O quarteto é um dos melhores grupos do Ceará. Sua importante contribuição na valorização da música instrumental brasileira revela-se através de um extenso currículo, com destaque para a recente excursão pela França e Bélgica, as apresentações pelo eixo Rio-São Paulo, gravações nos CDs da Spok Frevo Orquestra e no CD do belga Henri Greindl, além de arranjos e execução da trilha sonora do Musical A Estrela Dalva (sobre a vida de Dalva de Oliveira-premiação de melhor trilha sonora) e a premiação Melhor Grupo Musical de Jazz, nos anos de 2001, 2002, 2003 e 2004. Os CDs "Marimbanda" e "Tente Descobrir" reúnem composições que passeiam pelo baião, frevo, choro, samba, bossa nova, salsa e jazz, mostrando também essa diversidade de ritmos através de releituras. Em 2011, o grupo fará uma turnê nordestina com o patrocínio do Programa BNB de Cultura. A formação atual é composta por Luizinho Duarte (bateria e percussões), pelo flautista Heriberto Porto, o baixista Miquéias dos Santos e Sávio Dieb (piano).

NICOLAS SILVA (AL)
Com apenas seis anos de carreira, o alagoano de treze anos de idade se tornou especialista em música clássica, choro e valsa. Filho do professor de violão Marcos Silva, o talentoso adolescente se interessa por música desde os sete. Nesse percurso já estudou obras de Pixinguinha, Ary Barroso, Zequinha de Abreu, dentre outros gênios. Ficou nacionalmente conhecido depois de se apresentar no Domingão do Faustão (2009), quando recebeu muitos elogios do músico Caçulinha: "Nicolas é um garoto de extraordinário talento. Não tenho dúvida que em breve se tornará um dos nomes de peso da nossa MPB", comentou o acordeonista. Nicolas viaja desde 2008 por diversas cidades do País, apresentando-se ao lado de grandes nomes da música instrumental e de seu pai, que o acompanha em seu novo concerto.

ORQUESTRA DE CÂMARA ACORDE (PB)
Criada e idealizada pelo maestro Espedito Lopes com o objetivo de levar até as comunidades periféricas da cidade de Sousa o ensino e a prática da música instrumental para crianças e jovens de baixa renda, o projeto foi contemplado com o patrocínio do Programa BNB de Cultura no ano de 2009 e o Mais Cultura no ano seguinte. Com a criação da Orquestra também surgiu o Instituto Acorde de Educação e Cultura. Hoje esta instituição atende a 40 crianças e adolescentes, direcionando-os ao estudo e a profissionalização musical, com prática instrumental em violino, viola, violoncelo e contrabaixo, e aos instrumentos de sopro: flauta transversal, trompete, clarinete, sax, trombone e tuba, em conjunto com os instrumentos de percussão. A Orquestra tem como princípio o estudo dos mais diversos gêneros musicais como o erudito, o regional e a música popular brasileira, como forma de pesquisa e divulgação da música instrumental.

OXENT GROOVE (PB)
Formado há cinco anos, o grupo tem representado com maestria a música instrumental paraibana. Como se fizessem uma releitura de obras de arte, rearranjam clássicos e apresentam uma nova proposta, fácil de identificar a origem pelo traço característico que possui o grupo, como percebemos no projeto intitulado "Fusão Nordestina", gravado ao vivo no Campina Jazz Festival (2005). Participaram de importantes festivais e eventos, a exemplo do Abreu e Lima Instrumental e Campina Jazz Festival e, recentemente, do projeto Seis e Meia, ao lado de Victor Biglione e Wagner Tiso. Atualmente a Oxent Groove divulga o seu primeiro disco oficial intitulado de "Os 4 cabras", trabalho autoral que registra uma mistura de experiências musicais de seus integrantes e convidados.

QUARTETO CAZUMBÁ (MA)
Maranhenses, recentes no cenário, percorrem o País com seu projeto instrumental. Apontam em seu trabalho composições próprias e grandes clássicos de nossa música, mesclados, com linguagem jazzística, a uma roupagem contemporânea, mas sempre valorizando a riqueza rítmica regional do Nordeste, em especial a do Maranhão. Formado por contrabaixo (Mauro Sérgio), bandolim (Wendell), teclados (Wesley Sousa) e bateria (Fofo Black) e com menos de um ano de existência, o Quarteto Cazumbá já inclui em seu currículo uma importante premiação, o primeiro lugar no Tremplim Recife Jazz de 2010, que lhes rendeu projeção e respeito no meio da música instrumental regional e elogios pela crítica especializada pernambucana e de seu estado. O nome Cazumbá refere-se a um irreverente personagem do Bumba-meu-Boi do Maranhão.

SARACOTIA (PE)
O grupo Saracotia foi formado em setembro de 2008 pelos músicos Rafael Marques (bandolim de dez cordas), Rodrigo Samico (violão de sete cordas), e Marcio Silva (bateria). A união teve início meses antes, em novembro de 2007, quando os três artistas se juntaram pela primeira vez para acompanhar a cantora italiana Cristina Benvenutti. O repertório do grupo é pautado pela apresentação de diversos gêneros musicais, em composições próprias e releituras, unidos pela improvisação jazzística. Em seus concertos, buscam levar ao público a música de interpretação livre através de poesias sonoras que traduzem sensações e estados emocionais. A estética utilizada pelo grupo faz da natureza inesperada de sua formação um grande aspecto inovador. O grupo alça voo livremente pelas formas que experimentam. E justamente pela liberdade que fomentam é que sua música atinge dimensões tão fascinantes.

SATURNINO E O DISCO AVUADÔ (RN)
Grupo criado em 2007 através do encontro de vivências, seus integrantes experimentaram diversas formações musicais até chegarem ao amadurecimento e assim suscitar o desejo de difundir a música instrumental no Rio Grande do Norte, realizando um trabalho autoral de qualidade. A sonoridade é resultante das influências da música nordestina, jazz, música erudita e os vários gêneros da música popular brasileira, perceptíveis nos arranjos e composições. Tem se apresentado em festivais e eventos importantes como Sol da Terra em Florianopólis, Som da Mata, Praia Shopping Musical, Buraco da Catita, Programa Canto da Terra, Cena Contínua/Casa da Ribeira (Natal) e Feira da Música em Fortaleza. A participação no VI Festival BNB de Música Instrumental traz show que marca o lançamento do primeiro CD "Saturnino e o Disco Avuadô" no qual todas as faixas são de autoria do grupo.

TARCÍSIO SARDINHA (CE)
Nascido em São Luís, no Maranhão, mudou-se para Fortaleza há mais de quatro décadas. Desenvolveu um excelente trabalho que teve início na infância com seu parceiro inseparável, o violão. Também aprendeu a tocar cavaquinho, bandolim e guitarra, daí a familiaridade com vários instrumentos e estilos musicais. Tornou-se músico profissional com 15 anos, tocando na noite em grupos de baile e nas rodas de chorinho, paixão que herdou do avô e de seu pai que ouviam Jacob do Bandolim, Pixinguinha, Waldir Azevedo e outros chorões consagrados. Aliás, o apelido "Sardinha" é alusivo ao famoso violonista Aníbal Augusto Sardinha, o Garoto. Acompanhou os artistas Altamiro Carrilho, Sílvio Caldas, Clementina de Jesus, Fagner, Belchior, Ednardo, Amelinha, Sebastião e Maurício Tapajós, Falcão, Yamandu Costa, Paulo Moura, Zé da Velha, Silvério Pontes e Laércio de Freitas, entre outros. Lançou o CD Brasileirando, "Fim de tarde" recebeu o Prêmio Nelsons da Música Cearense - Melhor música de choro. Dedica-se à formação musical em diversos municípios cearenses como a Tapera das Artes (Aquiraz - CE), Festival de Música da Ibiapaba, Festival de Jazz de Guaramiranga e Fundação Cultural de Fortaleza. Ministra cursos e coordena oficinas de prática em conjunto. Eclético, idealizou a Banda Fortaleza Folia, presente há oito anos no carnaval da cidade. Atua como produtor musical, compositor, instrumentista e arranjador. O show é uma homenagem aos "trinta e poucos anos" de carreira, convidando ao palco alunos e parceiros, dentre eles Cainã Cavalcante, Orquestra Eleazar de Carvalho, Fausto Nilo, Adelson Viana e Márcio Resende. No encerramento do show, Sardinha fará uma homenagem ao maestro e músico cearense Carlinhos Ferreira, recentemente falecido.

TRIO CHORO PLUGADO (SP)
O Choro Plugado é um grupo de chorinho formado por três jovens músicos, que têm o objetivo de mostrar o choro às novas gerações, utilizando instrumentos elétricos como a guitarra e o contrabaixo, em novos arranjos para clássicos do gênero. O trio optou por fazer releituras de músicas consagradas e conhecidas do grande público, como Brasileirinho, Tico-tico no fubá e Carinhoso, respeitando a essência e as obras de seus compositores. O Choro Plugado já tocou em diversas cidades (Santo André, Sorocaba, Rio Claro, Franca e Itapetininga), em eventos do Sesi (Série Música Brasileira); além de dedicar outras apresentações ao público jovem, em escolas (Conservatório Souza Lima e no EM&T - Escola de Música e Tecnologia), e de participar do Projeto Fera - Festival de Arte da Rede Estudantil - em Londrina, patrocinado pelo Governo do Estado do Paraná. Contato: http://www.myspace.com/choroplugado

TRIO INSTRUMENTAL UFC (CE)
O trio de professores do curso de música da UFC-Cariri tem como proposta a prática instrumental. Marco Antonio (violino) durante cinco anos foi músico da Orquestra Sinfônica da Paraíba, considerada uma das melhores do País. Weber dos Anjos (violão) é formado pela UECE, onde posteriormente se tornou um renomado professor de violão, e também na UERN, na cidade de Mossoró. Claudio Mappa (contrabaixo) é um experiente músico tanto em música de concerto quanto em música popular. O trio é intitulado de "Ritual das Cordas" e tem se apresentado em diversos eventos como na cidade de Fortaleza e na região do crajubar. Muito aplaudido em diversos eventos por onde tem se apresentado, o seu repertório é eclético, perpassando pela música popular brasileira, jazz, blues e música de concerto, entre outras.

VARADOURO GROOVE ORCHESTRA (PB)
Apresentando, desde sua formação, uma proposta inusitada, com sete baterias, baixo, guitarra e naipe de metais, foi formada em 2010, a partir de uma convergência de ideias que há muito tempo ocupavam espaço em rodas de conversas de vários músicos populares, freqüentadores do Varadouro, Centro Histórico de João Pessoa. Com peças autorais que se inspiram em diversos ritmos como o funk, soul, samba, jazz, rock, blues, rap, afrobeat e world music, a Varadouro lança também novas visões sobre o instrumento predominante na banda, a bateria acústica. O projeto teve um lançamento à altura, sendo a primeira banda a se apresentar no primeiro dia de shows do Festival Mundo 2010 (PB), abrindo o evento e recebendo todos que entravam no local do festival, impressionados.

VENDO 147 (BA)
Banda com duas guitarras é bem comum. Sem guitarra ou baixo, você já deve ter visto. Com ou sem vocalista, eventualmente. E com dois bateristas? Inspirados nos suíços da Monsters, a Vendo 147 é conhecida pelo seu clone drum. Não estamos falando de duas baterias, mas de dois bateristas dividindo o mesmo bumbo. A bateria continua reinando única, soberana. Eles são Glauco Neves e Dimmy Drummer que, aliados a Pedro Itan e Duardo Costa nas guitarras e Caio Parish no baixo, formam uma das mais instigantes e conhecidas bandas de rock da Bahia. Com apresentações aclamadas por crítica e público, já estiveram presentes em diversos festivais, como o Do Sol (RN), Aumenta que é Rock (PB), Abril Pro Rock (PE), Maionese (AL) e Virada Cultural (SP).

CURSOS

CURSO DE APRECIAÇÃO DE ARTE
Como compreender Música Clássica: um passeio pela história
Robson Maia (CE) Dias 10, ter; 11, qua; 12, qui; 18h
Local: Ponto de Cultura Estação Cultura, Rua. Dep. Lindolfo Pires, nº 45, Estação, Sousa-PB.

O curso almeja a apreciação da música erudita, compreendendo os aspectos sociais e históricos desta arte, para conhecer e entender a cultura universal e regional no sentindo crítico, mediante um olhar ampliado de compreensão da música. Nº de vagas: 25. 240min.

ARTES VISUAIS

EXPOSIÇÃO
Outras formas, outros sons, outros sentidos
Abertura: 07 de maio de 2011 às 19h30
Período da exposição: 07 de maio a 04 de junho de 2011
Artistas: Francisco de Freitas
A exposição é formada por 20 instrumentos musicais e objetos sonoros, feitos dos mais diversos materiais.

OFICINA

OFICINA DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA
Construção de Rabecas Francisco de Freitas (CE) Dias 04, qua; 05, qui; 06, sex, 14h
A oficina se propõe a construir rabecas a partir da cabaça, material farto no Sertão e que facilita e democratiza seu processo de construção e acesso por pessoas de todas as classes. Inscrições a partir do dia 01 de maio na recepção do Centro Cultural Banco do Nordeste Sousa. Nº de vagas: 30. Carga horária: 12 horas-aula. 240 min.

Um comentário:

  1. You are so cool! I don't suppose I have read anything like that before.
    So great to discover somebody with genuine thoughts on this issue.
    Really.. thank you for starting this up. This website is something that is required on the internet, someone with some originality!



    my weblog attorney car accidents

    ResponderExcluir

É uma prazer receber sua visita. Obrigada pelo comentário.