terça-feira, 16 de agosto de 2016

PROJETO ‘BATERAS NA PRAÇA’

Ao som de Baterias

Em Montes Claros, um grupo de bateristas realiza projeto itinerante, levando a bateria para as praças, promovendo uma aproximação do público com o instrumento



POR JERÚSIA ARRUDA

Bateristas participantes do projeto (Foto: Jerúsia Arruda)

Mesmo que não saiba tocar um instrumento ou conheça minimamente a técnica musical,  o ‘ritmo’ do brasileiro é mundialmente conhecido. A verdade é que não que não há um único cidadão brasileiro que não saiba tamborilar uma caixinha de fósforo, ou algo que o valha, enquanto ouve um bom e velho samba. E se não for assim, “bom sujeito não é”.

Essa vocação musical tem sido um ponto forte na formação de uma nova geração de músicos interessados no instrumento que dá pulso a esse ritmo: a bateria.

Em Montes Claros, um grupo de bateristas, coordenado pelo músico e professor Marco Neves, está realizando um projeto itinerante, levando a bateria para as praças, promovendo uma aproximação do público com o instrumento que nos palcos está sempre na ‘cozinha’. Trata-se do projeto ‘Bateras na Praça’, lançado em 03 de julho, dia do aniversário de Montes Claros, e que até o final do ano vai percorrer diversos bairros da cidade, reunindo bateristas profissionais e amadores, com apresentações nas praças, gratuitas e abertas ao público.

O baterista Marco Neves, coordenador do projeto, explica que a ideia surgiu de um encontro de bateristas que participou, em meados da década de 2000, em Brasília/DF. O ‘Bateras 100% Brasil’, organizado pelo baterista e professor Dino Verdade, reuniu cerca de 300 bateristas de todo o país.

- Desde então, tinha vontade de fazer um movimento parecido em Montes Claros, mas só agora foi possível viabilizar. A cidade sempre foi um celeiro de artistas e ótimos músicos e o ‘Bateras na Praça’ veio com uma proposta de liberdade criativa e de interação, abrindo espaço aos músicos, ao público ligado à música, aos interessados em arte, e à comunidade em geral, divulgando e valorizando a bateria e dando visibilidade aos bateristas, possibilitando a apresentação dos seus trabalhos envolvendo os ritmos brasileiros, pop, rock, jazz, entre outros. O resultado tem sido surpreendente sobre todos os aspectos – explica o coordenador.

Marco Neves diz que Montes Claros tem excelentes bateristas, que atuam em vários contextos, formais e informais, como professores nas instituições de ensino, em bandas de baile, nos estúdios, nas bandas com trabalhos autorais, nas igrejas, bares, restaurantes, tocando os mais variados ritmos e estilos musicais, acompanhando duplas sertanejas, grupos de pagode, axé, rock e demais artistas da cidade.

- A proposta do ‘Bateras na Praça’ é criar um espaço de confraternização, troca de ideias e diversão para os bateristas de Montes Claros. As apresentações acontecem uma vez por mês, sempre em praças públicas, possibilitando o intercâmbio de ideias. Nossa meta é, em breve, estender os encontros para outras cidades da região, promovendo o intercâmbio musical em nível regional.

Marco explica que ao final do encontro, os bateristas se apresentam juntos, e o resultado é surpreendente.

- A apresentação de uma orquestra de bateristas proporciona uma sonoridade única e esteticamente atrai bastante a atenção de todos. Logo após a primeira apresentação, no aniversário da cidade, muitas pessoas nos procuraram, perguntando sobre o projeto, novos encontros, sobre aulas de Bateria. Foi muito inspirador para todos nós – avalia.

PROFISSÃO: BATERISTA
Marco explica que cada baterista possui uma característica única, apresentando técnica e sonoridade muito próprias.

- O músico deve buscar sempre o aprimoramento no instrumento, buscando um bom professor para seu desenvolvimento. Atualmente, Montes Claros possui ótimos bateristas e professores, contribuindo de forma positiva para a formação de novos músicos. Montes Claros é um celeiro de bateristas que desenvolvem trabalhos em várias áreas de atuação e é importante que mantenham seus estudos sempre atualizados - recomenda.

De acordo com o baterista, é possível viver de música em cidades do interior, desde que o músico procure se profissionalizar e se mantenha atualizado, que desenvolva e participe de projetos na área, que saiba trabalhar em conjunto e, acima de tudo, que seja dedicado.

- Como em qualquer área, a música exige muito sacrifício e empenho. Durante minha carreira busquei me qualificar da melhor forma possível. O maior desafio talvez seja manter atualizado, acompanhar o desenvolvimento do instrumento e os bateristas contemporâneos. Além disso, ser músico exige persistência, foco e a compreensão de que estará sempre na estrada, portanto, longe da família e sem descanso nos finais de semana. Enfim, são muitos os desafios, mas sempre compensados quando fazemos o que amamos, que, no meu caso é tocar e lecionar Bateria.

Fundador do Curso de Bateria no Conservatório Lorenzo Fernândez, em 1996, e professor do professor da Unimontes desde 2006, Marco Neves é graduado em Educação Artística com Licenciatura em Música pela Unimontes, Pós-graduado em Arteterapia em Educação pela Universidade Cândido Mendes – UCAM/RJ, Mestre em Música na subárea de Etnomusicologia pela Universidade Federal da Paraíba e Doutor em Ciências Sociais, subárea de Antropologia Cultural pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ.

Músico desde os 10 anos de idade, Marco conta que começou os estudos na bateria aos 15 anos, autodidata, assistindo a vídeos de bandas e bateristas da região. Quando completou 16 anos viajava 455 km para Belo Horizonte para adquirir métodos de bateria e, no início dos anos 90, se mudou para a capital mineira onde estudou com grandes mestres da bateria e sempre um colega indicava um novo livro ou videoaula em VHS, geralmente vindo de USA.

- Todos solicitavam cópias. Foi nessa época que tive meus primeiros contatos com as videoaulas de bateristas renomados – lembra.

Ainda em Belo Horizonte, formou a banda de Rock Virna Lisi, com a qual gravou o CD intitulado “Esperar o quê?” e viajou pelo Brasil, dividindo o palco com artistas renomados do Rock, Pop, e MPB, como Titãs, Paralamas do Sucesso, Lobão, Capital Inicial, Tom Zé, Zé Ramalho, Skank, entre outros. No início dos anos 90, foi eleito Baterista Revelação pela extinta revista BIZZ.
          
Em 1996, retornou para Montes Claros e passou por uma seleção de professor de Bateria do Conservatório Lorenzo Fernândez, onde lecionou de 1996 a 2011. Em 1999, ingressou no Curso de Educação Artística com Licenciatura em Música da Unimontes.

Como músico e professor, Marco diz que Montes Claros tem oferta para a formação profissional.

- A nova geração de músicos de Montes Claros é promissora, comprometida com os estudos e focada no trabalho. Minha sugestão é que se mantenha firme na busca pelo sonho de tocar Bateria, mantendo os estudos em dia, se profissionalizando e investindo em suas carreiras. Tocar Bateria requer foco, compromisso, empenho e trabalhar com afinco é fundamental. No mais é ter a consciência de que somos privilegiados em ter a música como companheira de jornada em nossas vidas. Tocar e tocar – finaliza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

É uma prazer receber sua visita. Obrigada pelo comentário.