quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Raymundo Costa

RAY COSTA DANÇA E ENSINA A DANÇAR
Depois de seis anos, o bailarino e professor de Dança Contemporânea Raymundo Costa volta aos palcos de Montes Claros
 


POR JERÚSIA ARRUDA

O bailarino montesclarense, Ray Costa apresentou, no ano passado, em Montes Claros o solo Cortejo, coreografado por Dudude Hermann, que faz parte de um espetáculo criado para o Balé Cidade de São Paulo. Além do solo, o bailarino ministrou a oficina A Gravidade e o Peso - a grande dobra, uma dança contemporânea na linha de pensamento da técnica Release que aborda o imaginário anatômico, com exercícios elaborados a partir de diversas técnicas.


A bailarina Lilia Shaw, da Cia 2 do Balé da Cidade de São Paulo, acompanhou o bailarino e também realizou uma oficina.

Ray Costa começou seus estudos de dança no Palácio das Artes, na escola do grupo Corpo e no Baleteatro Minas, em Belo Horizonte. Também viveu na Alemanha, participou do American Dance Festival, na Carolina do Norte, EUA, estudou Pedagogia da Dança e Sapateado, em Nova York e hoje é professor de Dança Contemporânea do Balé Cidade de São Paulo.

Conversei com o bailarino, que falou de seu trabalho no Balé da Cidade de São Paulo, de suas experiências no exterior, da sensação de voltar à terra natal e ainda deu dicas para os novos bailarinos que vivem em Montes Claros.

Como é seu trabalho no palco?Danço na Cia 2 do Balé da Cidade de São Paulo que enfoca o seu trabalho no campo da experimentação, visando encontrar outras formas de fazer e pensar a dança, onde a dança que desenvolvemos é conectada com o mundo contemporâneo, que procura levantar questões e que busca situar o indivíduo num contexto universal.

Sendo de origem interiorana, como foi vencer as diferenças culturais e comportamentais e se projetar na dança no cenário mundial?A minha trajetória do interior para o exterior foi de maneira, digamos assim, gradativa, e aconteceu de maneira bem natural e com muita sorte. De Montes Claros fui para Belo Horizonte, onde iniciei os estudos e dancei por 3 anos, depois mudei para São Paulo onde entrei para o Teatro Municipal. Nos anos 80 fui para a Alemanha onde trabalhei e morei por 4 anos. Retornei ao Brasil, para São Paulo e somente no final dos anos 90 fui morar e estudar em Nova Iorque. Vivendo e trabalhando hoje em São Paulo, me considero um cidadão do mundo, que viveu e assimilou bastante de outras culturas, mas conserva ainda alguns traços da cultura norte-mineira.

Como foi sua experiência na Alemanha?
Dancei com o Ballet Schindowski, em Gelsenkirchem e foi muito importante na minha formação artística, pois tive a oportunidade de trocar experiência e conhecer artistas de diversas culturas do mundo. O aprendizado foi muito grande, pois os espetáculos eram sempre com orquestra ao vivo e toda a produção era desenvolvida no próprio teatro.

Quando se apresentou em Montes Claros pela última vez?
Em agosto de 2000, durante o XXII Festival Folclórico. Dancei o solo Bags, junto com Adriana Camargo e o Balé de Câmara de Montes Claros, que apresentou Catopê – Labirinto da Memória , espetáculo que criei para eles, com música de Yuri Popoff.

Como é retornar? Compartilhar experiências com seus conterrâneos através de oficina?
Voltar à terra da gente sempre trás um sentimento bom e eu me realizo muito em poder passar adiante, mesmo que seja na forma de uma oficina, o aprendizado de 29 anos de carreira na dança.

Já ouviu a expressão Montes Claros, cidade da arte e da cultura? O que pensa sobre ela?
Não ouvi, mas concordo plenamente, pois na infância, em Montes Claros, sempre recebi e senti a arte próxima e tive contato com a cultura, tanto popular quanto erudita.

Para os bailarinos que estão começando, ainda em Montes Claros, o que recomenda?
Uma carreira na dança além de talento, exige disciplina e muitos anos de estudos. Busque o auto-conhecimento e um corpo bem conectado com a mente. Procure acreditar no sonho e superar os preconceitos.

4 comentários:

  1. Hi

    Sem palavras sobre o prof. Ray ...


    Lilian J Gomes

    ResponderExcluir
  2. quanto tempo heim Ray...
    desconhecia esta entrevista...
    ... que BELA entrevista.

    ResponderExcluir
  3. Quanto tempo heim Ray...
    Desconhecia esta entrevista...
    BELA entrevista...
    Raymundo Costa...
    exímio profissional!

    ResponderExcluir
  4. quanto tempo heim Ray...
    desconhecia esta entrevista...
    ... que BELA entrevista.

    ResponderExcluir

É uma prazer receber sua visita. Obrigada pelo comentário.