quarta-feira, 8 de junho de 2011

Jazz Festival Brasil


 Festival comemora uma década com grandes nomes do jazz e flerta com outros ritmos


De 16 a 19 de junho, o maior festival do gênero no Brasil inundará a capital mineira de ritmo e harmonia, com apresentações no teatro Oi Futuro Klauss Vianna


O Jazz Festival Brasil chega à décima edição trazendo, mais uma vez, grandes nomes internacionais e nacionais para uma série de shows, a serem realizados no período de 16 a 19 de junho. Produzido pela Soltz Cultural/Cultura Livre, o evento trará ao palco do teatro Oi Futuro Klauss Vianna importantes expoentes do gênero: Playing For Change, Richard Bona, Roberto Fonseca, John Pizzarelli e Ithamara Koorax.

O Jazz une nacionalidades. Mark Johnson, fundador do Playing for Change, e sua equipe viajaram durante uma década com uma única paixão e objetivo: conectar o mundo por meio da música. Assim como o projeto de Johnson, festivais como o Jazz Festival Brasil também contribuem para isso, pois trazem para o país importantes nomes da música como John Pizzarelli. O artista é considerado pela crítica mundial o mais completo intérprete da música popular norte-americana.

O músico camaronês Richard Bona, dono de uma voz suave que mescla nas devidas proporções doçura com uma ponta de nostalgia, mostrará aos brasileiros uma apresentação que une o jazz aos ritmos afros. Já Roberto Fonseca, considerado uma revelação pelos críticos europeus, trará um suingue cubano, recheado de hip hop, funk, bolero e tango.

A grande atração nacional é Ithamara Koorax, uma das melhores cantoras da cena jazzística da atualidade e uma das artistas brasileiras de maior sucesso no exterior. Com estilo versátil, a artista desafia rótulos e não se prende a estilos. Ela possui grandes influências da música erudita, do jazz e da bossa-nova.

Grande admirador do jazz, o empresário mineiro Leonardo Soltz não economiza palavras para descrever o gênero, o qual vem conquistando cada vez mais pessoas que buscam por qualidade musical. “O jazz nasceu do povo. Tem lamento, alegria, religiosidade. Tem elementos que se somam, transformam-se e criam uma verdadeira magia que encanta e nunca morre. É múltiplo, é crescente e permeia a história de todos. O jazz tem ritmo, harmonia e melodia livres. Não existe apenas uma forma de tocar ou compor jazz”, explica.

Desmistificando a ideia de que o jazz é uma música elitizada, o festival faz com que o gênero se torne ainda mais conhecido, ampliando sua massa crítica. De quinta (16) a sábado (18), o ingresso custará apenas R$15 (inteira) e, no domingo (19), a apresentação será gratuita. “O show de domingo é uma forma de trazer todos os tipos de público, ampliando o acesso à cultura. É também uma contribuição para que as pessoas vivenciem um programa de qualidade”, diz Leonardo.

Neste ano, o Jazz Festival Brasil será realizado em dois momentos: o volume I, no mês de junho, e o volume II, no segundo semestre.

O FESTIVAL

Com sua primeira edição realizada em 2001, o Jazz Festival Brasil já percorreu 11 cidades e passou por quatro regiões do país. Ao todo, foram mais de 40 atrações internacionais, mais de 100 apresentações, público de 60 mil pessoas e 10 instituições e projetos sociais beneficiados. Entre os músicos que já se apresentaram por aqui a convite do JFB estão Judy Carmichael, Duke Ellington Orchestra, Leroy Jones Quintet, Bob Wilber, Irakli and The Louis Ambassadors, Gunhild Carlind, Randy Sandke, Porteña Jazz Band, Gangbé Brass Band, Kristine Mills, Dany Doriz & The Cave Huchette Quartet, Luis Fernando Veríssimo & Jazz 6, Sweet System, The Perfect Gentlemen, Tricia Boutté & New Orleans Band, Gary Brown, Ray Gelato & Giants, Daniel Boaventura, entre outros.

O saxofonista inglês Bob Wilber, que participou do festival em 2009, fazendo um belo tributo a Benny Goodman, comenta que todas as pessoas envolvidas com o JFB amam música e se importam, realmente, com a disseminação da cultura do jazz. “O evento proporciona uma maravilhosa experiência para o público e para os músicos. Todos o aproveitam ao máximo”, lembra.

“Nestes dez anos, posso dizer que o Jazz Festival Brasil é uma iniciativa que vem superando seu principal objetivo: disseminar o jazz no país, apresentando-o como um gênero acessível a todos. Além disso, nesta edição, o festival está mais maduro e moderno, pois o Jazz interage com outros gêneros musicais, como o Soul Music e ritmos afro, por exemplo. Assim abrimos outras possibilidades e caminhos para apresentar as influências e importância do Jazz no meio musical. Desta forma, mostramos que, cada vez mais, a música não tem barreiras”, afirma Soltz.
ATRAÇÕES DE 2011

É um grupo de artistas de rua, de vários países, criado pelo músico Roger Ridley e pelo produtor musical Mark Johnson, que tem como finalidade tocar pela paz. Johnson viajou o mundo gravando e filmando músicos de diferentes crenças e etnias e misturou suas contribuições em um único e emocionante show. “Nós colocamos o som que um músico fez em cima de outro. Eles conseguiam ouvir o que tinham gravado antes deles e achavam uma maneira de se incluir para fazer com que a faixa se tornasse universal”, explica Johnson. O produto final virou um documentário chamado Playing For Change: Peace Through Music e tornou-se um vídeo viral no You Tube, com mais de 30 milhões de acessos. Alguns dos músicos do documentário se juntaram, pela primeira vez, numa apresentação ao vivo para o festival SXSW 2009 como a banda Playing for Change. Desde então, eles começaram a excursionar e fizeram uma série de shows. Além disso, o disco Playing for Change – Songs Around the World ficou no Top 10 da Billboard. Segue link de vídeo da música Stand By Me: (http://www.youtube.com/watch?v=Us-TVg40ExM)

Multi-instrumentista, compositor, contrabaixista e dono de uma voz singular. Assim, o aclamado camaronês Richard Bona conquistou o mundo. Nascido na pequena vila de Minta, em Camarões, o artista começou a cantar aos quatro anos de idade. Ao longo da carreira, já tocou, gravou ou excursionou com a nata do jazz como Larry Coryell, Mike Stern, Pat Matheny, Joe Zawinul, Herbie Hancock, Chick Corea, Jacky Terrasson, Bob James, Sadao Watanabe, Branford Marsalis e David Sanborn, Regina Carter, Bobby McFerrin e Randy Brecker, entre outros. Cidadão do mundo, já morou em Paris e, hoje, vive em Nova York. A África está sempre presente nos trabalhos com toque ancestral e, ao mesmo tempo, contemporâneo. Sua sonoridade mistura jazz com ritmos afro-cubanos, harmonias brasileiras, e traz ainda a energia do rap e do groove, sem deixar de lado a precisão extrema do pop anglo-saxão. É com essa extraordinária mistura de influências que Richard Bona expressa com maestria a sua música. O artista fará apresentação gratuita.

Considerado como um dos maiores talentos da nova geração de Cuba, o pianista, arranjador, produtor e compositor é o descendente direto da linhagem de grandes nomes como Bola de Nieve, Bebo Valdés, Chucho Valdés e Gonzalo Rubalcaba. Apontado como o sucessor de Rubén González, Roberto Fonseca é conhecido como a grande revelação do piano cubano. O jazz é sua maior base de inspiração, mas também é fã de hip hop, funk, boleros, tangos, música africana, brasileira e da música tradicional cubana. O artista nasceu em Havana, no ano de 1975, em uma tradicional família de músicos. Aos oito anos, começou a estudar piano. Aos doze, se interessou por música popular, afro-cubana e jazz. Em 1990, com 15 anos, começou a participar de festivais internacionais como o Jazz Plaza Internacional Festival, em Havana. Entre 1991 e 2001, dedicou-se a trabalhar sua carreira solo, gravando e participando de três discos de funk e rap cubanos. Em 2001, foi convidado a participar do projeto Buena Vista Social Club para substituir Rubén González. Ao lado da orquestra de Ibrahim Ferrer, viajou pelo mundo fazendo mais de 300 apresentações.

Ídolo do público paulistano, que já conferiu seu talento em outras temporadas, o cantor e guitarrista norte-americano John Pizzarelli vive atualmente o auge de sua popularidade. Além da simpatia que esbanja nos palcos, Pizzarelli oferece uma saborosa receita musical. Ele combina sua guitarra tipicamente jazzística com um repertório recheado de referências dos gigantes da canção norte-americana, como George Gershwin, Johnny Mercer e Sammy Cahn, além de sucessos dos Beatles e da bossa-nova. Decidido desde muito cedo a seguir os passos do pai (respeitado guitarrista Bucky Pizzarelli), John começou a tocar esse instrumento com apenas seis anos de idade. Seu estilo, como guitarrista, deve bastante à escola paterna, mas seu maior modelo musical é mesmo o grande Nat King Cole, de quem John assimilou o suingue e o charme. Além disso, ele gravou diversos discos em homenagem ao mestre Cole. Outros tributos a lendários da música foram gravados, como: Dear Mr. Sinatra e Rockin II Rhythm: A Tribute To Duke Ellington. O artista também produziu álbuns dedicados à bossa-nova e aos Beatles.

Ithamara Koorax
Considerada, há dois anos consecutivos, uma das três melhores cantoras do mundo pela revista americana DownBeat, Ithamara Koorax celebra 20 anos de carreira. Neste ano, a artista está com a turnê Bim Bom, celebrando a obra de João Gilberto, o grande mestre da bossa-nova que completa 80 anos de vida. Incensada pelo New York Times e eleita, há dez anos seguidos, uma das melhores cantoras de jazz do mundo pelos leitores das revistas DownBeat, Swing Journal e Jazz People. Ao lado de Diana Krall e Cassandra Wilson, Ithamara Koorax é, hoje, uma das artistas brasileiras de maior sucesso no exterior, onde realizou mais de 50 shows ao longo de 2010. O crítico Frank John Hadley, da DownBeat, sentenciou: "Ithamara Koorax é uma das mais belas vozes da criação".
SERVIÇO


16/6 (quinta-feira), 21h (R$ 15): Playing For Change
17/6 (sexta-feira), 21h (R$ 15): John Pizzarelli
18/6 (sábado), 21h (R$ 15): Ithamara Koorax e Roberto Fonseca
19/6 (domingo), 11h (gratuito): Richard Bona
Local: Teatro Oi Futuro Klauss Vianna – Av. Afonso Pena, 4.001, Centro/BH
Venda de ingressos: no próprio teatro.
Informações: (31) 3229-3131