sábado, 21 de abril de 2012

Um rio de conhecimentos

Projeto Cinema no Rio promove intercâmbio cultural ao levar a sétima arte às populações ribeirinhas do São Francisco


Telão inflado, projetor ligado, cadeiras a postos. Tudo pronto para mais uma sessão do Projeto Cinema no Rio São Francisco, que desde 2004 percorre o rio da integração nacional com o objetivo de democratizar o acesso à cultura exibindo filmes para as comunidades ribeirinhas. Esse ano o projeto completa sete anos de difusão da sétima arte. Para comemorar a data, a equipe parte para mais uma expedição em abril. Dessa vez, o Cinema no Rio vai percorrer 13 cidades no estado de Minas Gerais.

O projeto comemora também os 510 anos do Velho Chico, esse caudaloso rio habitado por indígenas e anteriormente conhecido como opará, algo como “rio-mar”. Ele foi descoberto por Américo Vespúcio no dia 4 de outubro de 1501, dia de São Francisco. Desde então, fez parte de importantes momentos históricos do país.

Assim, o Cinema no Rio realiza uma série de atividades com o objetivo de promover o intercâmbio com as comunidades que vivem as margens do rio São Francisco. A principal é a exibição gratuita de filmes. Crianças, adultos, idosos e até pessoas que nunca viram um filme na vida enchem as praças das cidades. Então é luz, câmera, ação. E as emblemáticas palavras do mundo cinematográfico ganham um novo significado.Parte desse novo sentido é criado ali mesmo, já que a equipe do projeto é responsável pela produção e veiculação de um documentário local sobre a cidade e seus habitantes. “Nos outros anos a população era mostrada nos filmes. Dessa vez, ela também vai fazer parte da produção desse curta-metragem.

Depois dos documentários, é hora dos filmes, todos nacionais. Esse ano, o projeto conta com oito curtas e seis longas-metragens, entre eles os recentes O Palhaço, com direção de Selton Mello, e Hotxuá, com direção de Letícia Sabatella e Gringo Cardia. O premiado Girimunho, com direção de Clarissa Campolina e Helvécio Marins Jr, também faz parte da lista.
Depois de ser exibido em festivais nacionais e internacionais, o filme finalmente será mostrado à cidade de São Romão, aonde foi gravado. “O Girimunho nasceu no projeto Cinema no Rio e agora vai ser visto pelos habitantes que me ajudaram a produzi-lo. É o local onde eu mais tenho vontade de passar o filme”, conta Helvécio Marins Jr, diretor do longa.



As comunidades também ganham conhecimento com a oficina de fotografia Imagem em movimento, direcionada a crianças de 12 a 16 anos. Os oficineiros vão conversar sobre o assunto, ensinar as regras básicas e deixar eles saírem pela cidade fotografando tudo que for interessante. “É o olhar deles sobre o espaço em que vivem”, explica Inácio. Cada participante também será fotografado. O material será então editado e exibido na telona antes dos filmes.
Todo esse sucesso é fruto do entendimento do cinema como uma forma de manifestação cultural. “E nesse projeto ainda é mais do que isso, pois é também uma forma de conhecer as outras manifestações culturais regionais. A proposta não é só proporcionar que eles tenham contato com o cinema, mas que eles tenham contato com suas próprias manifestações”, afirma Inácio.

Ele conta que o grupo de Batuque da cidade de Ponto Chique renasceu após a passagem do Cinema no Rio, na edição de 2006. “Eles diziam que a cidade não gostava deles. Insistimos e eles acabaram se apresentando. Foi um sucesso. Pela primeira vez vimos as pessoas da comunidade participando”, lembra Inácio. O grupo criou asas e chegou a fazer apresentações até em Brasília.

Desde que foi criado, o projeto passou por diversas cidades de Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe, os cinco estados que recebem as águas do Velho Chico. Com as sessões gratuitas dos filmes o Cinema no Rio já levou cultura para mais de 200 mil pessoas.

domingo, 15 de abril de 2012

Cultura abre espaço para participação popular

Conselho Estadual de Política Cultural Sua possibilitará acompanhar a elaboração e implantação das políticas públicas para a Cultura

Nesta semana, as políticas culturais para Minas Gerais podem ganhar novos rumos. Isso porque a Secretaria de Estado de Cultura está realizando eleições para escolha dos novos membros do Conselho Estadual de Política Cultural (Consec). A votação será realizada na terça-feira, 17 de abril, das 14h às 18h, na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte.

Serão escolhidos os candidatos indicados pelas entidades civis que fizeram cadastramento prévio junto à SEC e que apresentaram documentação de acordo com as exigências do Edital de Convocação.

Para votar, o eleitor deverá apresentar o número do CPF, além de documento que contenha nome e foto. Todo o processo eleitoral será acompanhado e fiscalizado por equipes da Secretaria de Estado de Cultura e do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

Os eleitores só poderão votar na urna destinada ao seu respectivo segmento cultural.

Para a votação presencial, os eleitores deverão encaminhar-se ao 9º andar do Edifício Gerais, onde estarão distribuídas urnas destinadas a cada segmento cultural que terá representatividade no Consec: Teatro; Museus e de Artes Visuais; Dança e Circo; Música; Produção Cultural; Arte Popular, Folclore e Artesanato; Entidades de Trabalhadores e Empresariais; Patrimônio Histórico e Artístico; Literatura, Livro e Leitura; Audiovisual e Novas Mídias; e Design e Moda.

As pessoas interessadas em atuar como fiscais do processo eleitoral deverão comparecer, no dia da eleição, ao 5º andar do Edifício Gerais, até as 13h30, para concorrer a uma das 11 credenciais que serão distribuídas. Não poderão ser fiscais candidatos ao Conselho Estadual de Política Cultural e servidores públicos.

Para as entidades civis cujas sedes estejam localizadas na Região Metropolitana de Belo Horizonte, o voto deverá ser presencial. Já as entidades do interior do estado, poderão optar pelo voto presencial ou pelo voto por correspondência, tendo até o dia 16 de abril de 2012, para enviar a documentação para a Secretaria.

Após a totalização de todos os votos, a Secretaria procederá à composição das listas tríplices de cada segmento, compostas pelos três primeiros colocados em cada votação. As listas serão encaminhadas ao Governador do Estado, que designará e nomeará os membros da sociedade civil que comporão o Conselho Estadual de Política Cultural, assim como os respectivos suplentes. O resultado final da totalização dos votos presenciais, e por carta, será divulgado no dia 23 de abril de 2012.

Criado pela Lei Delegada nº 180, de 20 de janeiro de 2011, o Conselho Estadual de Política Cultural (Consec) é um órgão colegiado, paritário, de caráter consultivo, propositivo, deliberativo, e de assessoramento superior da Secretaria de Estado de Cultura, servindo como uma instância da sociedade civil junto à Secretaria. Sua missão será acompanhar a elaboração e implantação das políticas públicas do Estado para a Cultura.

O Consec atende as diretrizes do Plano Nacional de Cultura e do Sistema Nacional de Cultura, e propõe maior participação da sociedade civil na elaboração de suas políticas públicas.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Uma delícia de festival

Comida di Buteco começa nesta sexta-feira


Bar Barracão, Bar da Tia Dalva, Bar do Bobô, Bar da Mangueira, Bar do Soró, Bar dos Amigos, Cantina do Léo, Cordel Encantado, Dom Bistrô, Pampulhas Bar, Quintal Bar, Ser Tão Ibituruna, Só o Bar, Thon Bar e Universo do Beijú. Essas são as 15 casas que participam da edição do Comida di Buteco 2012 em Montes Claros, um dos maiores eventos gastronômicos do país.

Acesse o www.comidadibuteco.com.br para conferir a localização dos estabelecimentos, porque será nesses ambientes que você encontrará, a partir desta sexta-feira (13/04) até o próximo dia 29, os montes-clarenses mais antenados em comida de boteco e nos novos endereços que tornam ainda mais deliciosa a noite de Montes Claros, bastante prestigiada pela gente da região, pois a cidade é dona de alguns dos melhores botecos do Norte de Minas.

O evento, naturalmente, tem o apoio e o incentivo da Prefeitura, porque ajuda a aprimorar a qualidade dos nossos botecos, atrai visitantes da região e movimenta o turismo e a economia municipal. Esse ano, apenas seis cidades mineiras têm o privilégio de sediar o evento, hoje de contorno nacional.

PROFISSIONALIZANDO

O circuito, além mostrar onde estão os melhores tira-gostos da cidade – escolhidos pelo voto da população e de um corpo de jurados –, ajuda a melhorar a estrutura física e as condições de funcionamento das casas, já que também avalia critérios como temperatura da cerveja, atendimento ao cliente, higiene do estabelecimento e dos sanitários e conforto.

É uma forma ‘bem sacada’ de contribuir para com a profissionalização do setor, diante da importância social do boteco para o mineiro. É por esta razão que a Prefeitura apoia e estimula a realização do evento na cidade, que nesses seis anos ajudou a repercutir os estabelecimento se movimentar o comércio, estimulando a circulação de clientes e alimentando o turismo e a economia da maior cidade da região. O setor ganhou em número de frequentadores e na melhoria da renda.