sábado, 30 de abril de 2011

Música Instrumental

Em sua sexta edição, o Festival BNB da Música Instrumental promove a diversidade musical, estimulando a fruição e conhecimento à produção instrumental. A programação acontece de 17 a 28 de maio.

Embora a produção nordestina seja destaque, a programação do VI Festival BNB da Música Instrumental traz representantes de três regiões do Brasil e até da América do Sul. Os três CCBNBs (Fortaleza e Cariri, no Ceará; e Sousa, na Paraíba) receberão juntos 21 formações instrumentais oriundas de onze estados (Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Alagoas, Maranhão, Sergipe, Bahia e Piauí, da região Nordeste; Distrito Federal, Centro-Oeste; e São Paulo, do Sudeste). Além destes teremos participação de músicos argentinos, representado pelo grupo instrumental feminino Las Rositas Tango Trio.

Dezenas de músicos com diferentes trajetórias, influências e propostas estéticas, além de uma variedade de sonoridades que serão apresentadas durante os 12 dias de realização do evento. É assim que esperamos que mais uma vez o festival contribua para o fortalecimento dessa celebração musical, tendo você como nosso convidado especial.


LAS ROSITAS Tango Trio (Argentina)


O trio argentino formado por mulheres apresenta seu mais novo trabalho instrumental intitulado "Las Estaciones", um espetáculo emotivo de interpretação singular aliado à força expressiva das três jovens: Gabriela Palma (Violino), Cecília Palma (Viola) e Ana Belén Disandro (Piano). O grupo foi criado em 2007 com o objetivo de representar um dos gêneros musicais mais populares de seu país, o Tango. Las Rositas é uma proposta instrumental com um formato atípico, para interpretar de Gardel a Piazzolla, clássicos do estilo, com roupagem moderna. O grupo ostenta algumas premiações de destaque, a exemplo do título Conjunto Revelação, conferido pelo Festival de Cosquin em 2009 e o primeiro lugar na Segunda Selección de Conjuntos Orquestrales de Tango, de Buenos Aires. Além da Argentina, já realizaram concertos no Chile, Uruguai, Peru e Brasil. Contato: www.myspace.com/lasrositastriodetango, info@difusafronteira.com

BANDA CABAÇAL DO ZÉ PRETINHO (PB)
Composta por seis irmãos da família Lopes, foi fundada em 1971 na cidade de Tavares-PB. De acordo com o senhor Zé Pretinho, mestre e líder do grupo e que aprendeu a tocar pífano com o pifeiro Joaquim Bino, ele decidiu montar a banda com seus irmãos porque não havia mais tocadores de pífanos na cidade, pois o seu único parceiro, o mestre Bino, devido à idade, não conseguia mais fazer ecoar o som de seu pífano. Com muita criatividade, Pretinho improvisou os instrumentos: lata de doce virou caixa, baldes de alumínio zabumba, tampas de panelas os pratos e canos de ferro os pífanos. Depois, confeccionou os instrumentos de percussão com troncos de árvores e couro de bode, e os pífanos de taboca. Hoje, devido à escassez de matéria-prima, esses artistas do som tocam com pífanos de alumínio, confeccionados por Zé Pretinho, e instrumentos de percussão industrializados.

BANDA SYNKRASIS (CE)
A Banda Instrumental Synkrasis consiste em um projeto que pretende fomentar a música instrumental no Cariri. O grupo surge com um trabalho autoral no qual se encontram fortes influências do jazz-fusion e da música brasileira. Além de suas próprias composições, a banda Synkrasis desenvolve releituras de clássicos da música ocidental. No ano de 2010, destacam-se as apresentações no projeto Música no Campus e no II Simpósio de Guitarra no Cariri, ambos os eventos promovidos pela Universidade Federal do Ceará. O grupo é formado por: Diego Souza (teclado), Robson Almeida (sax), Ivânio Azevedo (guitarra), Ellison Alencar (contrabaixo) e Wendel Leite (bateria). Atualmente a banda realiza shows pela região do Cariri e está em fase de elaboração de seu primeiro trabalho fonográfico.

BURRO MORTO (PB)
O Burro Morto surgiu mutilado, teve seus retalhos recosturados e agora percorre os caminhos sonoros atento às cores e nuances. Respira groove, enche os pulmões de psicodelia, entorta os compassos e regurgita melodias inusitadas. A inspiração vem do sangue que passeia pelas veias negras da terra antiga, que sai de Lagos, passa pelas dunas de areia escaldante, chega a Addis Ababa, escorre pelos ouvidos jazzistas no norte, desce ao estômago do deep funk e deságua novamente no terceiro mundo. É África-Brasil, via o jazzy groove gringo. Esse emaranhado de cabos, filtros, delays, climas, cinismo e subversão é manipulado por cinco mentes ácidas: Haley (sintetizadores, orgão), Daniel Ennes Jesi (contrabaixo), Ruy José (bateria), Pablo Ramires (percussão) e Léo Marinho (guitarra).

DUO FINLÂNDIA (CE)

Dois músicos. Dois países. Um argentino e um brasileiro. Música tradicional de ambos os países com ambientes contemporâneos. Finlandia é um duo formado por Maurício Candussi (Argentina) e Raphael Evangelista (Brasil). No palco, instrumentos acústicos como piano, acordeom e o violoncelo mesclado a bases eletrônicas focadas na música tradicional dos dois países em um show vibrante e profundo. Trata-se de um estudo de ritmos tradicionais conhecidos como o Tango, Bossa-nova e Samba tocados ao vivo. Porém o duo segue além e aprofunda-se em ritmos pouco difundidos fora de seus países como a Milonga, Frevo, Baião e Huaino. Toda esta musicalidade tradicional é inserida em um ambiente eletrônico proporcionando novas fusões entre o folk e o moderno.

FERNANDO CORBAL (DF)


Formado em Música pela Universidade de Brasília, compositor, toca violão, viola de 10 cordas, kalimba, piano e cristaleira (glass harmonica) - instrumento musical afinado com água pura, consiste num agrupamento geométrico de taças, dispostas estrategicamente, de forma a possibilitar uma execução polifônica, harmônica e melódica - a fricção da ponta dos dedos sobre as bordas das taças dá origem a um timbre raro. Executa obras autorais e de grandes nomes da música brasileira. Também se utiliza de instrumentos eletrônicos e atua em diversos segmentos artísticos, produzindo trilhas sonoras para teatro, vídeo e cinema. Foi agraciado com o Troféu Candango no XV Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, o Prêmio Concorrência Fiat, o Prêmio SESC de Música Instrumental e o Prêmio APAC. Convidado pelas embaixadas brasileiras, participou de projetos em Moçambique, Bolívia, Holanda, Bélgica, França, Líbano e Suécia.

FERRARO TRIO (SE)
O Power trio instrumental sergipano foi concebido e pensado no início de 2008, mas posto em ação apenas no primeiro semestre de 2009, um ano depois da decisão coletiva de colocar em prática o gosto pela música negra, pelos grooves do funk e da soul music e pela música instrumental. Formado por três músicos sergipanos, o Ferraro Trio é a consolidação de anos de amizade, trabalho coletivo e amadurecimento musical e pessoal, refletido no entrosamento do novo combo, que pretende tocar para um público amplo e variado, de jazzistas a rockers, além dos amantes da música negra em geral. As principais influências são a soul music e os grooves funky das gravadoras Motown e Stax. Músicas próprias e temas desses artistas fazem parte do repertório do grupo.

JÚLIO MEDEIROS (PI)
A trajetória musical começou na adolescência ao lado de Naeno, Zé Piau, Chagas e outros músicos do Grupo Varanda. Ganhou visibilidade no cenário piauiense ao vencer alguns festivais regionais. Ingressou na música instrumental e criou os grupos Haja Sax, Essa Banda, Club do Jazz, Chorando Baixinho e Banda Improviso. Grande incentivador cultural no Piauí, promoveu e participou de vários eventos como o Teresina Jazz, Artes de Março, Festival de Jazz de Pedro II, Festival de Oeiras, Festival de Choro em Teresina e o Festival de Jazz de Barra Grande. Na discografia os CDs "Fábula de um Arquiteto" (1995), "Notas e Croquis" (1999), "Pro Seu Domingos" (2003) e "Som da Arquitetura" (2010). Este último dá nome ao show e sintetiza a busca de integração entre a amizade e o trabalho de arquiteto e músico. Segundo Júlio Medeiros, a idéia foi traduzir através de composições já consagradas e outras inéditas, o som que lhe é transmitido no processo de criação tanto arquitetônico como musical. O CD é um conjunto de viagens de imagens e sons.


LUCIANO MAGNO (PE)
Compositor, arranjador, instrumentista, cantor e produtor musical. Iniciou-se na música em Recife, na década de 1990. Estudou no CEMO e no Conservatório Pernambucano de Música. Participou de três edições do Festival Canta Nordeste da Rede Globo, como integrante da orquestra do festival e em uma das edições como arranjador. Gravou com nomes como Hermeto Pascoal, Naná Vasconcelos, Dominguinhos, Alceu Valença e produziu CDs e DVDs de diversos artistas pernambucanos. Em 2000, lançou o seu primeiro disco instrumental, pela Polydisc/Sony, se apresentando no Montreux Jazz Festival na Suíça, tendo a participação do Maestro Spok e seguiu com várias apresentações no exterior em inúmeros projetos tanto em carreira solo como acompanhado de parceiros musicais do Trio Sotaque, André Rio, Lula Queiroga, Fábio Valois e Cacau Brasil. Em 2010, o seu frevo "Esquentadinho" recebe letra de Moraes Moreira, firmando assim a primeira parceria entre eles, e Roberto Menescal faz o "Samba Magno", em sua homenagem. Luciano Magno foi o grande vencedor do Festival de Música Carnavalesca do Recife 2011 com o frevo de rua "Pisando em Brasa", de sua autoria.

MARIMBANDA (CE)
O quarteto é um dos melhores grupos do Ceará. Sua importante contribuição na valorização da música instrumental brasileira revela-se através de um extenso currículo, com destaque para a recente excursão pela França e Bélgica, as apresentações pelo eixo Rio-São Paulo, gravações nos CDs da Spok Frevo Orquestra e no CD do belga Henri Greindl, além de arranjos e execução da trilha sonora do Musical A Estrela Dalva (sobre a vida de Dalva de Oliveira-premiação de melhor trilha sonora) e a premiação Melhor Grupo Musical de Jazz, nos anos de 2001, 2002, 2003 e 2004. Os CDs "Marimbanda" e "Tente Descobrir" reúnem composições que passeiam pelo baião, frevo, choro, samba, bossa nova, salsa e jazz, mostrando também essa diversidade de ritmos através de releituras. Em 2011, o grupo fará uma turnê nordestina com o patrocínio do Programa BNB de Cultura. A formação atual é composta por Luizinho Duarte (bateria e percussões), pelo flautista Heriberto Porto, o baixista Miquéias dos Santos e Sávio Dieb (piano).

NICOLAS SILVA (AL)
Com apenas seis anos de carreira, o alagoano de treze anos de idade se tornou especialista em música clássica, choro e valsa. Filho do professor de violão Marcos Silva, o talentoso adolescente se interessa por música desde os sete. Nesse percurso já estudou obras de Pixinguinha, Ary Barroso, Zequinha de Abreu, dentre outros gênios. Ficou nacionalmente conhecido depois de se apresentar no Domingão do Faustão (2009), quando recebeu muitos elogios do músico Caçulinha: "Nicolas é um garoto de extraordinário talento. Não tenho dúvida que em breve se tornará um dos nomes de peso da nossa MPB", comentou o acordeonista. Nicolas viaja desde 2008 por diversas cidades do País, apresentando-se ao lado de grandes nomes da música instrumental e de seu pai, que o acompanha em seu novo concerto.

ORQUESTRA DE CÂMARA ACORDE (PB)
Criada e idealizada pelo maestro Espedito Lopes com o objetivo de levar até as comunidades periféricas da cidade de Sousa o ensino e a prática da música instrumental para crianças e jovens de baixa renda, o projeto foi contemplado com o patrocínio do Programa BNB de Cultura no ano de 2009 e o Mais Cultura no ano seguinte. Com a criação da Orquestra também surgiu o Instituto Acorde de Educação e Cultura. Hoje esta instituição atende a 40 crianças e adolescentes, direcionando-os ao estudo e a profissionalização musical, com prática instrumental em violino, viola, violoncelo e contrabaixo, e aos instrumentos de sopro: flauta transversal, trompete, clarinete, sax, trombone e tuba, em conjunto com os instrumentos de percussão. A Orquestra tem como princípio o estudo dos mais diversos gêneros musicais como o erudito, o regional e a música popular brasileira, como forma de pesquisa e divulgação da música instrumental.

OXENT GROOVE (PB)
Formado há cinco anos, o grupo tem representado com maestria a música instrumental paraibana. Como se fizessem uma releitura de obras de arte, rearranjam clássicos e apresentam uma nova proposta, fácil de identificar a origem pelo traço característico que possui o grupo, como percebemos no projeto intitulado "Fusão Nordestina", gravado ao vivo no Campina Jazz Festival (2005). Participaram de importantes festivais e eventos, a exemplo do Abreu e Lima Instrumental e Campina Jazz Festival e, recentemente, do projeto Seis e Meia, ao lado de Victor Biglione e Wagner Tiso. Atualmente a Oxent Groove divulga o seu primeiro disco oficial intitulado de "Os 4 cabras", trabalho autoral que registra uma mistura de experiências musicais de seus integrantes e convidados.

QUARTETO CAZUMBÁ (MA)
Maranhenses, recentes no cenário, percorrem o País com seu projeto instrumental. Apontam em seu trabalho composições próprias e grandes clássicos de nossa música, mesclados, com linguagem jazzística, a uma roupagem contemporânea, mas sempre valorizando a riqueza rítmica regional do Nordeste, em especial a do Maranhão. Formado por contrabaixo (Mauro Sérgio), bandolim (Wendell), teclados (Wesley Sousa) e bateria (Fofo Black) e com menos de um ano de existência, o Quarteto Cazumbá já inclui em seu currículo uma importante premiação, o primeiro lugar no Tremplim Recife Jazz de 2010, que lhes rendeu projeção e respeito no meio da música instrumental regional e elogios pela crítica especializada pernambucana e de seu estado. O nome Cazumbá refere-se a um irreverente personagem do Bumba-meu-Boi do Maranhão.

SARACOTIA (PE)
O grupo Saracotia foi formado em setembro de 2008 pelos músicos Rafael Marques (bandolim de dez cordas), Rodrigo Samico (violão de sete cordas), e Marcio Silva (bateria). A união teve início meses antes, em novembro de 2007, quando os três artistas se juntaram pela primeira vez para acompanhar a cantora italiana Cristina Benvenutti. O repertório do grupo é pautado pela apresentação de diversos gêneros musicais, em composições próprias e releituras, unidos pela improvisação jazzística. Em seus concertos, buscam levar ao público a música de interpretação livre através de poesias sonoras que traduzem sensações e estados emocionais. A estética utilizada pelo grupo faz da natureza inesperada de sua formação um grande aspecto inovador. O grupo alça voo livremente pelas formas que experimentam. E justamente pela liberdade que fomentam é que sua música atinge dimensões tão fascinantes.

SATURNINO E O DISCO AVUADÔ (RN)
Grupo criado em 2007 através do encontro de vivências, seus integrantes experimentaram diversas formações musicais até chegarem ao amadurecimento e assim suscitar o desejo de difundir a música instrumental no Rio Grande do Norte, realizando um trabalho autoral de qualidade. A sonoridade é resultante das influências da música nordestina, jazz, música erudita e os vários gêneros da música popular brasileira, perceptíveis nos arranjos e composições. Tem se apresentado em festivais e eventos importantes como Sol da Terra em Florianopólis, Som da Mata, Praia Shopping Musical, Buraco da Catita, Programa Canto da Terra, Cena Contínua/Casa da Ribeira (Natal) e Feira da Música em Fortaleza. A participação no VI Festival BNB de Música Instrumental traz show que marca o lançamento do primeiro CD "Saturnino e o Disco Avuadô" no qual todas as faixas são de autoria do grupo.

TARCÍSIO SARDINHA (CE)
Nascido em São Luís, no Maranhão, mudou-se para Fortaleza há mais de quatro décadas. Desenvolveu um excelente trabalho que teve início na infância com seu parceiro inseparável, o violão. Também aprendeu a tocar cavaquinho, bandolim e guitarra, daí a familiaridade com vários instrumentos e estilos musicais. Tornou-se músico profissional com 15 anos, tocando na noite em grupos de baile e nas rodas de chorinho, paixão que herdou do avô e de seu pai que ouviam Jacob do Bandolim, Pixinguinha, Waldir Azevedo e outros chorões consagrados. Aliás, o apelido "Sardinha" é alusivo ao famoso violonista Aníbal Augusto Sardinha, o Garoto. Acompanhou os artistas Altamiro Carrilho, Sílvio Caldas, Clementina de Jesus, Fagner, Belchior, Ednardo, Amelinha, Sebastião e Maurício Tapajós, Falcão, Yamandu Costa, Paulo Moura, Zé da Velha, Silvério Pontes e Laércio de Freitas, entre outros. Lançou o CD Brasileirando, "Fim de tarde" recebeu o Prêmio Nelsons da Música Cearense - Melhor música de choro. Dedica-se à formação musical em diversos municípios cearenses como a Tapera das Artes (Aquiraz - CE), Festival de Música da Ibiapaba, Festival de Jazz de Guaramiranga e Fundação Cultural de Fortaleza. Ministra cursos e coordena oficinas de prática em conjunto. Eclético, idealizou a Banda Fortaleza Folia, presente há oito anos no carnaval da cidade. Atua como produtor musical, compositor, instrumentista e arranjador. O show é uma homenagem aos "trinta e poucos anos" de carreira, convidando ao palco alunos e parceiros, dentre eles Cainã Cavalcante, Orquestra Eleazar de Carvalho, Fausto Nilo, Adelson Viana e Márcio Resende. No encerramento do show, Sardinha fará uma homenagem ao maestro e músico cearense Carlinhos Ferreira, recentemente falecido.

TRIO CHORO PLUGADO (SP)
O Choro Plugado é um grupo de chorinho formado por três jovens músicos, que têm o objetivo de mostrar o choro às novas gerações, utilizando instrumentos elétricos como a guitarra e o contrabaixo, em novos arranjos para clássicos do gênero. O trio optou por fazer releituras de músicas consagradas e conhecidas do grande público, como Brasileirinho, Tico-tico no fubá e Carinhoso, respeitando a essência e as obras de seus compositores. O Choro Plugado já tocou em diversas cidades (Santo André, Sorocaba, Rio Claro, Franca e Itapetininga), em eventos do Sesi (Série Música Brasileira); além de dedicar outras apresentações ao público jovem, em escolas (Conservatório Souza Lima e no EM&T - Escola de Música e Tecnologia), e de participar do Projeto Fera - Festival de Arte da Rede Estudantil - em Londrina, patrocinado pelo Governo do Estado do Paraná. Contato: http://www.myspace.com/choroplugado

TRIO INSTRUMENTAL UFC (CE)
O trio de professores do curso de música da UFC-Cariri tem como proposta a prática instrumental. Marco Antonio (violino) durante cinco anos foi músico da Orquestra Sinfônica da Paraíba, considerada uma das melhores do País. Weber dos Anjos (violão) é formado pela UECE, onde posteriormente se tornou um renomado professor de violão, e também na UERN, na cidade de Mossoró. Claudio Mappa (contrabaixo) é um experiente músico tanto em música de concerto quanto em música popular. O trio é intitulado de "Ritual das Cordas" e tem se apresentado em diversos eventos como na cidade de Fortaleza e na região do crajubar. Muito aplaudido em diversos eventos por onde tem se apresentado, o seu repertório é eclético, perpassando pela música popular brasileira, jazz, blues e música de concerto, entre outras.

VARADOURO GROOVE ORCHESTRA (PB)
Apresentando, desde sua formação, uma proposta inusitada, com sete baterias, baixo, guitarra e naipe de metais, foi formada em 2010, a partir de uma convergência de ideias que há muito tempo ocupavam espaço em rodas de conversas de vários músicos populares, freqüentadores do Varadouro, Centro Histórico de João Pessoa. Com peças autorais que se inspiram em diversos ritmos como o funk, soul, samba, jazz, rock, blues, rap, afrobeat e world music, a Varadouro lança também novas visões sobre o instrumento predominante na banda, a bateria acústica. O projeto teve um lançamento à altura, sendo a primeira banda a se apresentar no primeiro dia de shows do Festival Mundo 2010 (PB), abrindo o evento e recebendo todos que entravam no local do festival, impressionados.

VENDO 147 (BA)
Banda com duas guitarras é bem comum. Sem guitarra ou baixo, você já deve ter visto. Com ou sem vocalista, eventualmente. E com dois bateristas? Inspirados nos suíços da Monsters, a Vendo 147 é conhecida pelo seu clone drum. Não estamos falando de duas baterias, mas de dois bateristas dividindo o mesmo bumbo. A bateria continua reinando única, soberana. Eles são Glauco Neves e Dimmy Drummer que, aliados a Pedro Itan e Duardo Costa nas guitarras e Caio Parish no baixo, formam uma das mais instigantes e conhecidas bandas de rock da Bahia. Com apresentações aclamadas por crítica e público, já estiveram presentes em diversos festivais, como o Do Sol (RN), Aumenta que é Rock (PB), Abril Pro Rock (PE), Maionese (AL) e Virada Cultural (SP).

CURSOS

CURSO DE APRECIAÇÃO DE ARTE
Como compreender Música Clássica: um passeio pela história
Robson Maia (CE) Dias 10, ter; 11, qua; 12, qui; 18h
Local: Ponto de Cultura Estação Cultura, Rua. Dep. Lindolfo Pires, nº 45, Estação, Sousa-PB.

O curso almeja a apreciação da música erudita, compreendendo os aspectos sociais e históricos desta arte, para conhecer e entender a cultura universal e regional no sentindo crítico, mediante um olhar ampliado de compreensão da música. Nº de vagas: 25. 240min.

ARTES VISUAIS

EXPOSIÇÃO
Outras formas, outros sons, outros sentidos
Abertura: 07 de maio de 2011 às 19h30
Período da exposição: 07 de maio a 04 de junho de 2011
Artistas: Francisco de Freitas
A exposição é formada por 20 instrumentos musicais e objetos sonoros, feitos dos mais diversos materiais.

OFICINA

OFICINA DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA
Construção de Rabecas Francisco de Freitas (CE) Dias 04, qua; 05, qui; 06, sex, 14h
A oficina se propõe a construir rabecas a partir da cabaça, material farto no Sertão e que facilita e democratiza seu processo de construção e acesso por pessoas de todas as classes. Inscrições a partir do dia 01 de maio na recepção do Centro Cultural Banco do Nordeste Sousa. Nº de vagas: 30. Carga horária: 12 horas-aula. 240 min.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Prêmio

Iphan abre inscrições para edição 2011 do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade

Estão abertas as inscrições para a 24ª edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan, que este ano está inserido nas comemorações do Ano Internacional do Afrodescendente e homenageia os 100 anos de nascimento do artista plástico Caribé. As inscrições podem ser feitas até o dia 8 de julho nas Superintendências do Iphan em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal.

Cada ação só poderá ser inscrita em um das sete categorias previstas no edital. Os candidatos, pessoas físicas ou jurídicas, deverão apresentar um dossiê, ilustrado para caracterizar plenamente a atividade. Comissões presididas pelas Superintendências do Iphan em cada unidade federativa promoverão a pré-seleção das ações correspondentes aos seus estados ou Distrito Federal. Em seguida, as ações pré-selecionadas serão encaminhadas para a Comissão Nacional de Avaliação. Os resultados serão anunciados no mês de outubro. Os vencedores de cada categoria serão premiados com troféu e R$ 20 mil.

Rodrigo Melo Franco de Andrade

O advogado, jornalista e escritor Rodrigo Melo Franco de Andrade nasceu em 17 de agosto de 1898 em Belo Horizonte. Foi redator-chefe e diretor da Revista do Brasil. Na política foi chefe de gabinete de Francisco Campos, atuando na equipe que integrou o Ministério da Educação e Saúde do governo Getúlio Vargas. O grupo era formado por intelectuais e artistas herdeiros dos ideais da Semana de 1922. Rodrigo Melo Franco de Andrade comandou o Iphan desde sua fundação em 1937, até 1968.

O Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade foi criado em 1987 em reconhecimento a ações de proteção, preservação e divulgação do patrimônio cultural brasileiro e está dividido em sete categorias:

• Promoção e Comunicação
• Educação patrimonial
• Pesquisa e inventário de acervos
• Preservação de bens Móveis
• Preservação de bens Imóveis
• Proteção do patrimônio natural e arqueológico; e
• Salvaguarda de bens de natureza imaterial

O edital da 24ª edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade está à disposição nas Superintendências do Iphan e nos sites www.iphan.gov.br e www.comprasnet.gov.br. Informações gerais podem ser obtidas no Departamento de Articulação e Fomento - DAF / Coordenação-Geral de Difusão e Projetos, em Brasília, SBN Quadra 02, Edifício Central Brasília, 2º andar - Cep: 70040-904.

Telefones: (61) 2024.6199, 2024.6245 e 2024.6176. Fax: (61) 2024.6148. Endereço eletrônico: daf@iphan.gov.br

ExpoZebu 2011

Feira começa com abertura da Mostra do Museu

Com a presença de autoridades locais e visitantes de todo o Brasil, a 77ª ExpoZebu começou na manhã desta quinta-feira (28/04), em Uberaba (MG). A primeira solenidade do dia foi o Hasteamento das Bandeiras. Logo em seguida aconteceu a abertura da 28ª Mostra do Museu do Zebu “100 anos da 1ª Exposição Oficial de Gado Zebu” e o lançamento da Sala Virtual “Mário de Almeida Franco”.

O presidente da Associação Brasileira dos Criadores do Zebu (ABCZ), Eduardo Biagi, destacou que a mostra é um resgate da memória dos pioneiros que tiveram a visão de promover o zebu nas exposições. “Nos próximos 13 dias Uberaba será mais uma vez o centro das atenções da pecuária mundial e o Parque Fernando Costa será o palco principal de negócios, encontros, estudos, exposições e provas de animais, discussões políticas, decisões que impulsionarão novos movimentos na roda da história da pecuária bovina, com reflexos em uma cadeia produtiva, comercial e de serviços gigantesca”, disse Biagi.

O presidente-curador da Fundação Museu do Zebu “Edilson Lamartine Mendes”, Hugo Prata, também ressaltou o trabalho de promoção das raças desenvolvido pelos criadores que realizaram a primeira exposição, em 1911. “Nós abrimos para o mundo inteiro a Sala Virtual Mário de Almeida Franco, a primeira do museu virtual da ABCZ. Aliando tecnologia e história, esse projeto nasce basicamente por dois motivos. O primeiro, a ABCZ, como os pioneiros do zebu, ousa sonhar. E o segundo, a ABCZ reconhece e propaga a importância de quem sonhou por ela”, disse a jornalista Faeza Rezende, responsável pelos textos da Sala Virtual.

A Sala Virtual traz fatos históricos e fotos de todas as 77 exposições nacionais de zebu. Basta acessar o endereço www.abcz.org.br/salavirtual

Sobre a ExpoZebu

A 77ª edição da maior feira de pecuária zebuína do mundo, que será realizada de 28 de abril a 10 de maio, trará para o Parque Fernando Costa, em Uberaba (MG), importantes debates sobre pecuária, além do melhor da genética zebuína nacional. A abertura oficial da mostra, que tem como tema “Zebu: Tecnologia e Qualidade” será às 10h do dia 3 de maio e contará com a presença de lideranças políticas e do agronegócio, criadores, visitantes internacionais, estudantes e a população em geral. A feira terá também vasta programação educativa, cultural e recreativa. No ano passado, a feira recebeu mais de 333 mil visitantes, entre eles mais de 700 estrangeiros. A expectativa dos organizadores é receber público semelhante. A programação conta ainda com 43 leilões e sete shoppings.

Mais de 3.000 exemplares das raças zebuínas brahman, gir, gir leiteiro, guzerá, indubrasil, nelore, sindi e tabapuã serão julgados na pista do Parque Fernando Costa. O julgamento dos animais tem início na tarde do dia 03 de maio, com a pré-classificação da raça nelore, e será finalizado no dia 10.

Nos 13 dias de feira, quem visitar o Parque Fernando Costa terá a oportunidade de conhecer as novidades de diversos setores ligados à pecuária. Estandes de centrais genéticas, ração e nutrição animal, associações de raça, órgãos governamentais, concessionárias, entre outros, estarão presentes à mostra.

Entrevista

Secretário de estado de Trabalho e Emprego, Carlos Pimenta: - Vamos trabalhar para romper barreiras, conquistar espaços e levar o Norte de Minas a alcançar o status das outras regiões em relação ao estado.

O Norte de Minas sempre se destacou pela força de sua representação política, mas, neste ano, essa representação ganhou um plus com a nomeação de dois montes-clarenses para ocupar uma vaga no secretariado do governo Anastasia: os deputados Carlos Pimenta e Gil Pereira, que respondem, respectivamente, pela secretaria de Estado de Trabalho e Emprego (SETE), criada na atual gestão, e pela secretaria de Estado de Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri e do Norte de Minas (Sedvan), até então extraordinária, transformada em secretaria permanente pelo governador Anastasia. Considerada como uma região de grande vulnerabilidade social, a nomeação dos dois secretários, além de fato inédito, denota que o Norte de Minas está finalmente recebendo atenção equânime do governo do estado, com chances de transformar sua realidade e se tornar compatível com a força e engajamento de seu povo.

Com objetivo de conhecer melhor as atribuições das novas secretarias, em entrevista concedida à Jerúsia Arruda, o secretário de estado, Carlos Pimenta, fala dos projetos da secretaria de estado de Trabalho e Emprego (SETE), criada na atual gestão do governador Anastasia, e dos benefícios que estes vão proporcionar ao estado e, especialmente, ao Norte de Minas.


Militante da política desde o período acadêmico, Carlos Welth Pimenta de Figueiredo é médico formado pela Unimontes, especializou-se em Cirurgia Geral, Clínica Médica, Medicina do Trabalho e Acupuntura. Foi secretário de Governo da prefeitura de Montes Claros (1991), vereador por três mandatos (1977 a 1992) e presidente da Câmara Municipal (1989-1990). Exerce o quinto mandato consecutivo como deputado estadual e é presidente do Conselho Estadual de Trabalho, Emprego e Renda. Atualmente encontra-se licenciado da ALMG para responder pela SETE.


A SETE é uma pasta nova no governo de Minas. Qual o objetivo de sua criação?
A SETE tem por finalidade planejar, dirigir, executar, controlar e avaliar as ações setoriais, a cargo do governo do estado, voltadas ao fomento das políticas públicas de trabalho, geração de emprego e renda, colocação e recolocação no mercado de trabalho e inclusão produtiva do cidadão mineiro.


Existe a possibilidade de criar unidades regionais da SETE no interior do estado? Caso sejam criadas, qual será o papel dessas regionais?
Estão previstas as Unidades Regionais, até o limite de dez unidades, de acordo com as regiões de planejamento do estado. As regionais têm por finalidade organizar e apoiar a regionalização de programas, projetos e atividades da SETE, visando o desenvolvimento do setor de trabalho, emprego e renda das diferentes regiões do estado e em diferentes públicos. As Diretorias Regionais em sua área de abrangência vão divulgar as diretrizes da secretaria, prestar apoio técnico, acompanhar e supervisionar a execução das ações relativas às funções de trabalho, emprego e renda desenvolvidas diretamente pela SETE, em parceria com as prefeituras, entidades e parceiros da sociedade civil.

Quais os projetos prioritários para esse primeiro ano?
Primeiro, vamos estruturar bem a nova secretaria, depois, vamos criar as Regionais, e desenvolver ações articuladas com o sistema S e outros parceiros nas ações da política pública de trabalho, emprego e renda. Pretendemos utilizar a UTRAMIG, que faz parte da estrutura da nossa secretaria, na ação de formação profissional e social. Queremos também fortalecer ações de inclusão produtiva e ampliar as parcerias com o ministério do Trabalho e Emprego e ministério de Desenvolvimento Social e Combate a Fome. Como presidente do Conselho Estadual de Trabalho, Emprego e Renda, vou trabalhar a articulação com a sociedade civil para o fortalecimento das ações da política pública e das Comissões/Conselhos Municipais de Trabalho. Temos outras metas como a elaboração da Cartilha do Trabalhador e de um programa estadual de qualificação profissional abrangente.


Em relação à abertura de novas vagas de emprego, a SETE já tem algum projeto em vista?
Temos hoje 120 Unidades de Atendimento ao Trabalhador do Sine que realizam os serviços de intermediação de mão de obra, encaminhamento do trabalhador para vagas disponibilizadas pelas empresas em todo o estado de Minas Gerais. Percebemos que existem vagas disponíveis, existem pessoas precisando de trabalho, mas empregadores e trabalhadores são incapazes de identificar todas as oportunidades e as Unidades realizam este serviço. O estado surge como o agente externo que minimizará as consequências dessa assimetria informacional. Os perfis demandados pelas empresas nem sempre estão disponíveis no mercado e ações como a qualificação profissional, ou mesmo as competências básicas, precisam ser executadas e integradas a uma política maior de promoção da inclusão produtiva. Nesse contexto, algumas preocupações fundamentais norteiam a existência de um sistema público de trabalho, emprego e renda. Primeiro: existe a necessidade da promoção de competências básicas para o trabalho, tendo em vista que nem todas as pessoas tiveram acesso a sistemas educacionais adequados. Segundo: os jovens precisam de um tratamento especial, levando em conta as dificuldades de um primeiro emprego. Terceiro: a intermediação de mão de obra, como os serviços ofertados pelo Sine, precisam ser universalizados para atender a todos que estão e situação de vulnerabilidade. E em quarto lugar: a população precisa participar mais efetivamente das decisões norteadoras das políticas de emprego e renda.


Esses projetos também vão contemplar o mercado autônomo?
Para isso foi criada uma Superintendência de Geração de Renda e Empreendedorismo – SGRE. Esta unidade tem por finalidade planejar, coordenar, programar e acompanhar programas e projetos relativos à inclusão produtiva, à geração de renda, ao empreendedorismo e ao estabelecimento de relações interinstitucionais para o desenvolvimento da política pública correspondente. Todos os programas, projetos e ações desenvolvidos por esta superintendência visam facilitar o acesso do trabalhador individual às oportunidades de trabalho, visando à promoção de sua autossuficiência e melhoria econômica e social.


Quanto à qualificação profissional, a SETE já tem projetos para essa área?
Neste momento, a SETE pretende trabalhar com dois projetos de qualificação profissional. Um deles é o PlanteQ (Plano Territorial de Qualificação) que oferece cursos de qualificação profissional para trabalhadores desempregados, em risco de desemprego ou microempreendedores. Outro projeto, e este realizado com 100% de recursos do Tesouro Estadual, é o programa Usina do Trabalho. O Programa Usina oferece qualificação e capacitação profissional a trabalhadores desempregados. Ele atua em dois eixos: o primeiro é a qualificação profissional nos municípios participantes do Programa Travessia; e o segundo é o investimento produtivo, que nada mais é que a qualificação profissional de acordo com a demanda de empresas e empreendimentos que procuram a SETE em busca de mão de obra qualificada.


Existe a possibilidade de criação mais unidades do CETEC no Norte de Minas?
Foi solicitado ao governador Anastasia e autorizada a implantação de dez Diretorias Regionais da secretaria de Estado de Trabalho e Emprego para atender a população do estado. Dessas dez regionais é nosso pensamento implantar duas na região do Norte de Minas e outra na região do Alto Rio Pardo. Estamos também trabalhando na implantação de um grande Centro de Qualificação Profissional em Montes Claros que vai atender a população do município e região nas ações da política pública de trabalho, emprego e renda.


Muitas regiões do Estado ainda exploram o trabalho infantil, especialmente em carvoarias. Qual será a atuação da SETE para combater esse crime?
Precisamos trabalhar articulados com as demais secretarias de governo que desenvolvem ações e programas na área social voltadas para a proteção e o desenvolvimento integral infantojuvenil, nas áreas de trabalho, educação, saúde, cultura, direitos humanos e previdência social. Além disso, ampliar a parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego por meio das Gerências Regionais. São essas gerências que planejam e desenvolvem meios para a fiscalização e inspeções ostensivas para coibir todas as formas degradantes de trabalho, principalmente o infantil. É necessário desenvolver programas que contribuam, por meio da criação de oportunidades de geração de renda, emprego e treinamento, para melhorar a qualidade de vida das famílias, que teriam o incentivo econômico para não expor precocemente suas crianças ao mercado de trabalho.


O fato de o governo de Minas ser oposição ao governo federal vai comprometer a consolidação dos projetos da SETE?
De forma alguma. Para te dar alguns exemplos, nós temos uma parceria com o Governo Federal, por meio do Ministério do Trabalho e Emprego, para desenvolvimento do Projovem Trabalhador. Outra ação é o convênio de cooperação técnica e financeira mútua para a integração, operacionalização e manutenção das funções e ações do Sistema Público de Emprego, Trabalho e Renda – SPETR (intermediação de mão de obra, seguro-desemprego, qualificação social e profissional, certificação profissional, fomento às atividades empreendedoras e informações sobre o mercado de trabalho) e, com o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome para projetos de inclusão produtiva, que, neste ano, estará disponibilizando cerca de 20 milhões de reais para atender, principalmente, os municípios do Norte de Minas e Vales do Jequitinhonha e Mucuri.


Em um estado como Minas Gerais, com 853 municípios e grandes distâncias que os separa entre si, cada região com suas especificidades, é preciso políticas públicas que respeitem as características regionais. Como a proposta do governo é trabalhar em rede, como a SETE vai se adequar a esse modelo de gestão?
Envolvendo as regionais da SETE, as nossas Unidades de Atendimento ao Trabalhador, Conselhos e Comissões de Emprego e Renda, ampliação de parcerias com as prefeituras e toda a sociedade civil. A partir de todo este esforço podemos hegemonizar políticas públicas de uma forma que haja respeito às particularidades de cada região do nosso vasto estado de Minas Gerais.


Em uma região como o Norte de Minas, com tamanha diversidade sócio-econômico-cultural é mais difícil emplacar as políticas públicas?
A região norte-mineira enfrenta muitas dificuldades devido a sua grande extensão territorial e dificuldades nos setores de comunicação. Já esteve pior! Melhorou muito com o Programa “Pró-acesso”, mas mesmo assim vamos rompendo barreiras e conquistando espaços em relação a outras regiões do estado. As políticas públicas do governo de Minas estão presentes e superaram dificuldades. Vamos perseguir para alcançar o status das outras regiões, pois o governador Anastasia tem o compromisso com o grande norte do estado.

Ainda em relação ao Norte de Minas, muitos municípios sobrevivem do FPM, mas poderiam ter outras fontes de rendas se tivesse seu potencial - turístico, por exemplo-, explorado da maneira correta. O que a SETE pode fazer para fomentar a economia na região?
O FPM é a principal fonte de receita dos municípios do Norte de Minas, com raras exceções. O grande objetivo da SETE é fazer com que alternativas apareçam com a geração de empregos através do Capital Privado o que elevaria o ICMS dos municípios. Hoje temos oportunidades como a grande reserva de gás natural da Bacia do São Francisco, a imensa reserva do minério de ferro do Norte de Minas e com os recursos da SUDENE que não são plenamente utilizados na região, dentre outras oportunidades disponibilizadas para nossa região.


Falando de forma pessoal, como o senhor recebeu o convite para ser secretário de estado?
Como uma grande honra e um grande desafio. A SETE está sendo estruturada para cumprir a missão de articular políticas públicas, para atrair grandes investimentos para o estado, gerando milhares de empregos decentes e melhorando a qualidade de vida do povo mineiro.


Quais suas metas frente à SETE?
A principal é a de coordenar o processo de geração de empregos no estado, em todos os setores, aproveitando as características e potencialidades regionais. Vamos trabalhar muito em interface com outras secretarias como a de Desenvolvimento Urbano e Regional, Turismo, Agricultura e Educação. Pontualmente, vamos participar do esforço que o estado está empreendendo visando a Copa do Mundo em 2014, qualificando mais de 12 mil trabalhadores em vários setores. Outro grande desafio será o de qualificar o trabalhador mineiro que não está preparado para ocupar as vagas que estão surgindo.


Como secretário o senhor pode fazer mais pelos mineiros do que como deputado estadual?
São missões que tenho que enfrentar. Pelo fato de estar ocupando a cadeira de secretário de estado de Trabalho e Emprego, não deixo de atender a demandas como deputado estadual. Continuo a receber prefeitos, vereadores e lideranças do mesmo jeito e tenho minha emenda parlamentar como qualquer deputado estadual. Acho mesmo que, na secretaria, as oportunidades ampliam devido ao contato mais de perto que tenho com outras secretarias, com o vice-governador Alberto Pinto Coelho e com o governador Anastasia.

Que mensagem o senhor gostaria de deixar ao povo norte-mineiro?
A mensagem de gratidão! Sou grato pela confiança que sempre tive do povo do norte-mineiro, pela oportunidade de trabalhar por toda região, não só do Norte de Minas, como também pelos vales do Jequitinhonha e Mucuri. Sou grato ao Governador Anastasia por depositar em minhas mãos esta grande missão e desafio. Sou grato a minha família, minha esposa Cláudia, minhas filhas, minha netinha, minha mãe e amigos. Sou grato a DEUS por ter me confiado tantos “TALENTOS” que serão multiplicadores em favor do meu estado, beneficiando tantos com uma das coisas mais sagradas que existe: o emprego, digno e decente.

Festa do Milho

Assentamento Tapera, no município de Riacho dos Machados, região Norte de Minas Gerais, rende homenagens à cultura do produto que é tradicional da região


Os moradores do assentamento Tapera, no município de Riacho dos Machados, região Norte de Minas, realizam, entre os dias 30 de abril e 1° de maio a sétima Festa do Milho. A comemoração anual reúne toda a comunidade com o objetivo de celebrar a produção do milho e proporcionar aos moradores um momento de lazer.

A festa da comunidade oferece aos visitantes a oportunidade de experimentar pratos tradicionais do assentamento, que têm o milho como ingrediente básico. Serão servidas comidas típicas como pamonha, mingau de milho, cuscuz , canjica, entre várias outras.

Os visitantes poderão participar, ainda, de uma série de atividades recreativas. Estão previstos jogos de baralho, futebol masculino e feminino, apresentações musicais, além de vários jogos direcionados às crianças. Será realizada também uma cavalgada, com o objetivo de resgatar a cultura dos cavaleiros entre a população local.

De acordo com o presidente da associação de moradores do assentamento Tapera, Custódio do Carmo, a Festa do Milho é um modo encontrado pelos assentados para valorizar a cultura da planta e a história do assentamento. “É uma forma de louvor à produção do milho”, diz o assentado. Principal fonte de renda dos moradores, o milho tem permitido aos agricultores familiares avançarem em termos de produtividade, melhorando sua condição de vida no campo. Cada família colhe em média 20 sacas de milho por ano.

Outro diferencial da Festa do Milho é a participação voluntária de toda a comunidade na organização do evento. Aos 16 anos, a jovem Maria Janaína de Aquino colabora com os preparativos da festa desde a quarta edição. Com sua mãe, Maria Janaína contribui nas atividades de limpeza, ornamentação, preparo de alimentos e outros serviços necessários à realização do evento. “A gente tem que ajudar, para que dê tudo certo e todo mundo saia falando bem”, diz a jovem.

O assistente social Marcelo Lopes, que colabora com a organização da festa desde sua primeira edição, explica que a celebração foi criada a fim de proporcionar aos assentados a oportunidade de se reunirem e estreitarem os laços de convivência. “É um momento de lazer para os moradores, que é estendido às comunidades vizinhas”, afirma Marcelo.

O assentamento Tapera foi criado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária em Minas Gerais (Incra/MG) em 1995. A produção de sementes crioulas de milho e o cultivo de feijão são as principais atividades dos agricultores locais, que ainda produzem cana-de-açúcar e mandioca.

sábado, 23 de abril de 2011

Literatura

 3º Sarau das Letras no Espírito Santo

Poeta e performer Aroldo Pereira
Nos dias 27 e 28 de abril, a cidade de São Mateus/ ES sedia o 3° Sarau de Letras, com a participação de diversos poetas e escritores capixabas e convidados  de outros estados brasileiros.

Dentre os convidados, com participação especial, o poeta mineiro Aroldo Pereira profere palestra, apresenta performances e lança o livro Parangolivro, que já passou pelas mãos do ex-presidente Lula e foi indicado para mestrados e vestibulares da Unimontes - Universidade Estadual de Montes Claros e de outras universidades do Brasil. O livro já está em sua segunda edição pela editora 7letras, do Rio de Janeiro, e tem recebido elogios e pedidos de várias partes do país.

Neste novo lançamento, o centro cultural de Araçá e parceiros convidam para uma visita com direito a performances poéticas, palestras, saraus, encontros com equipes de educadores e outras atividades culturais envolventes com a animação do poeta mineiro que nasceu em Coração de Jesus-MG e reside em Montes Claros-MG.

No dia 27 de abril, no Salão do Lions Club, em palestra, o poeta Aroldo Pereira fala sobre seu processo de criação e a respeito do Salão Nacional de Poesia Psiu Poético, que acontece ha 25 anos consecutivos em Montes Claros, no Norte de Minas Gerais, influenciando poetas e agentes literários em todo Brasil. A programação, que acontece de de 14h às 16h,  também inclui apresentarão dos grupos Batruques e Cia de Teatro Encenação. Às 20s, Aroldo Pereira fará o lançamento e noite de autógrafos do Parangolivro, incluindo performance poética musical.

A noite contará com paticipação dos artistas Baby Bonomo, Luiz Costa, Cesar Domiciano, Pedro Morais, Eduardo Ojú e Shila Joaquim. Dia 28, às 08h30, Aroldo Pereira fará um recital e palestra para as crianças do projeto Araçá - Lê melhor quem lê a vida.

AROLDO PEREIRA
O poeta, performer e ator Aroldo Pereira que participou da Banda Punk Ataq. Cardiáco, é conhecido em todo o  paíspelos diversos livros publicados, como Canto de Encantar Serpente, Azul Geral, Hai-Kai Quem Quer, Doces Pérolas Púrpuras, Amor Inventado, Signopse a Poesia na Virada do Século, Cinema Bumerangue e Parangolivro, tendo seu nome como verbete na Enciclopedia da Literatura Brasileira, organizada por Afrãnio Coutinho e como criador e curador do Salão Nacional de Poesia Psiu Poético.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Paixão de Cristo

Paróquia São Norberto encena Paixão de Cristo
nesta sexta-feira


Os últimos momentos da vida de Jesus Cristo vão ser encenados nesta sexta-feira da Paixão, em Montes Claros. A Via Sacra, promovida pela Paróquia São Norberto, está prevista para sair às 14 horas do hospital universitário Clemente de Faria, na avenida Cula Mangabeira, e seguirá pelas ruas dos bairros Cândida Câmara e Sagrada Família até a Paróquia São Norberto, onde, às 20h, haverá Adoração da Cruz.

Cerca de 60 pessoas participam da encenação, que é coordenada pelo padre João e acompanhada por moradores das comunidades por onde passa.

Esta será a segunda vez em que o jovem Phablo Henrique Barbosa Oliveira, 16 anos, atuará como o personagem principal da Paixão de Cristo. Ele encarnará o sofrimento Jesus em direção à crucificação."Quando atuei no ano passado, eu percebia a emoção no rosto de quem acompanhava. Fiquei surpreendido e, por muito tempo depois, fui chamado de Jesus pelas pessoas".

CELEBRAÇÃO
Nesta quinta-feira, os fiéis ainda poderão participar da Ceia do Senhor e da missa de Lava-pés, às 19h. Em seguida, haverá Adoração ao Santíssimo até a meia-noite.
A programação da Semana Santa continua no sábado, às 20h, com a Vigília Pascal, na igreja de São Norberto. No domingo, haverá três celebrações de Páscoa, às 7h e 9h da manhã e às 19 horas.

Dia da Inconfidência Mineira

Neste 21 de abril, comemoramos o Diada Inconfidência Mineira. Para marcar a data, publicamos um texto gentilmente enviado por Pettersen Filho. Confira.


A Inconfidência Mineira nossa de cada dia


Tiradentes Esquartejado (Pedro Americo,1893)
Em dias acalorados de hoje, quando se discute a Crise Financeira Mundial , a Desoneração Fiscal e o Papel do Estado Brasileiro na Economia e nos Meios de Produção, no promiscuo Jogo Político do “ Toma Lá e Me Dá Cá ”do Congresso Nacional, e entre os vários Institutos da Federação, União, Estados e Municípios , tendo por personagens Figuras já Carimbadas da Velha República, tais como José Sarney, Michel Temer e outros, é necessário, especialmente, que reportemos o 21 de abril de 1789, em que, cansados do Jugo Português e da Ferocidade Arrecadatória da Coroa, reuniram-se, em Vila Rica - MG, atual cidade de Ouro Preto, alguns intelectuais da época, a destacar, Cláudio Manoel, Thomaz Antônio Gonzaga, Marília de Dirceu, Padre Rolim, Tiradentes , e muitos, muitos sonegadores.

Intuídos em tramar contra a Derrama , dia de recolhimento compulsivo do imposto do quinto do ouro atrasado, o Movimento , debelado pela traição de Antônio Silvério dos Reis, entrou para a História como sendo a " Inconfidência Mineira ", tida, por muitos, como precursora da Independência do Brasil, gravada a ferro e a fogo nos dizeres: “ Libertas quae será tamen ”.

Neste dia 21 de Abril, comemoramos 220 anos do lacônico ensejo, culminado com o enforcamento de Joaquim José da Silva Xavier: O Tiradentes.

Nesta data, no entanto, daquele Brasil Colonial, antagonizado pelos Inconfidentes , muito pouco, de fato, fôra mudado, comparando-se com o Brasil de Hoje, o Brasil da “ Ordem e Progresso ”, estigmatizado na nossa Bandeira.

Contemporânea da Revolução Francesa, 1789, onde os ideais iluministas preponderaram, e se alastraram pelo mundo, " liberdade, igualdade e fraternidade ", também incorporados na Bandeira do Estado de Minas Gerais, no lema: " Liberdade ainda que tardia ”, a Inconfidência Mineira , contudo, ao meu modesto ver, ainda não acabou, mas está por vir.
Senão vejamos: Assola-nos, hoje, da mesma forma que, então, a Coroa Portuguesa, o Estado Brasileiro, com tremenda carga tributária, e tal qual as “ Cartas Régias de D. Maria I ”, que proibiam a atividade produtiva e industrial no Brasil, as diferentes instâncias de governo punem, igualmente agora, a atividade laboral e os valores do trabalho, seja através das inúmeras prefeituras municipais, com avantajados “ ISSs ” e necessários “ alvarás licenciatórios ”, seja na Pessoa dos diversos Estados, meio que estipulando, em tempos modernos, o verdadeiro "imposto do quinto" , atual, traduzido pelo “ ICMS proibitivo ”, ou seja, o Governo Federal, representado pelo açoite injusto da “ CPMF ” e os acentuados “ IPIs ” da vida.

Tudo isso, a remendar o Brasil Colônia, em pleno século XXI.

Não fosse o bastante, assim como na antiga Vila Rica, a imobilidade social é absurda, e a falta de distribuição de riqueza é gritante, aviltando os valores éticos, morais e patrióticos da Sociedade Moderna.

Minas Gerais , por si só, intitula-se, a si mesma, como sendo o " Estado da Liberdade "; A de pelo menos uma vez por ano, a todo santo dia 21 de Abril, quando transfere simbolicamente a Capital do Estado para Ouro Preto, recebendo, em verdadeiros “ showmissios”, presidentes, e políticos de toda sorte.

Mas, parece-nos, todavia, que, ao referir-se à “ Liberdade” , a Minas Gerais de Hoje, não o faz como Instituto . Versa, sim, o Estado Mineiro, tão somente, sobre a palavra bonita de se pronunciar:" Liberdade ". Onissonora. Dispõe, assim, apenas sobre a “ Liberdade ”, como mero fonema. Simples som produzido pelas cordas vocais do Orador. Não dispõe, na verdade, sobre a “ Liberdade Conjurada ”: A petrificada no tempo, aprisionada na História, e, enforcada junto com O Tiradentes , no cadafalso da Praça Homônima.

O Tiradentes de quem falo, agora, é o Vivo , e não a Estatua, com quem rivaliza, mansamente. Instalada entre as Avenidas Afonso Pena e Brasil, em Belo Horizonte.

Não me refiro ao Tiradentes, de mãos amarradas para trás e pés vacilantes. Ao maltrapilho, que, a todo o momento, nos vende a suposta imagem do Homem, que, amedrontado, em Pedra-sabão , não teve tempo para correr.

Falo, sim, do “ Tiradentes Vivo ”, que anseia por “ Liberdade” . Hoje, aqui, e agora! Nos morros e nas favelas, nas marés e nos subúrbios. O que torce freneticamente para o Time do Atlético , ou então, pelo do Cruzeiro . O que prefere ouvir MPB , ou, às vezes, a Música Sertaneja de “ Pena Branca e Xavantinho ”. Tanto faz, desde que seja brasileiro, desse Imenso País.

Falo do Tiradentes, o chamado por: João , Antônio ou, quiçá, Maria . O Cidadão Brasileiro . O que sabe, com certeza absoluta, que a “ Liberdade ” não é um Bem que se ache nas gôndolas de supermercado, ou que se adquira, eventualmente, ali na prateleira da Lojinha da Esquina.

Falo do “ Tiradentes Vivo”, o que se esculpi a cada novo dia, nos pivetes e sinaleiros de trânsito. O que sabe com convicção patriótica: “A “ Liberdade” não é algo que se conquista, absolutamente e de forma definitiva, ou algo que se consuma, para todo o sempre. Porque a “ Liberdade” somente se faz no total, amplo e permanente “ Exercício” . Dia a dia. Na “ Derrama de Hoje em Dia” , que, mais uma vez, virá!”


Mostra de video

Estão abertas as inscrições para a Mostra Curto Encontro, que será realizada de 25 a 31 de julho, em 13 cidades baianas simultaneamente

Serão selecionados vídeos de qualquer parte do país e produzidos em qualquer ano e sobre qualquer tema/categoria que tenham de 5 a 20 minutos.

Os realizadores poderão inscrever quantos vídeos quiserem, concorrendo a prêmios em dinheiro, troféu e exibição na TVE.

As inscrições são gratuitas e online. A Mostra conta com o patrocínio dos Correios e o apoio da FUNCEB, DIMAS e IRDEB que promoverão, além da exibição, debates e oficinas.

Realização: Tabuleiro Produções
Inscrições: 15 de abril a 15 de maio
Mostra: de 25 a 31 de julho, em 13 cidades baianas

A Mostra Curto Encontro nasceu da experiência cineclubista de formação de público através da exibição de vídeos acompanhado de discussão com realizadores, cineastas e interessados em cinema e encontrou apoio financeiro no I Edital de Patrocínios Culturais dos Correios, além de contar com o apoio institucional da FUNCEB, DIMAS e IRDEB.

A Mostra Curto Encontro pretende selecionar curtas metragens brasileiros para exibição simultânea em dezesseis cidades baianas, a saber: Salvador, Santo Amaro, Vitória da Conquista, Juazeiro, Porto Seguro, Guanambi, Mutuípe, Valença, Lauro de Freitas, Alagoinhas, Jequié, Itabuna e Feira de Santana. Nessa mostra a proposta é realizar o encontro entre o público, o filme e seus realizadores, numa esclarecedora discussão sobre o fazer filmes que pretende alcançar um público estimado em 20 mil pessoas, com entrada franca.

O projeto realizará oficinas de Curta-metragem com carga horária de 20 horas, na cidade de Salvador em dois locais, de acordo com o público-alvo: na Sala Alexandre Robatto (Barris) para inscritos maiores de 18 anos e no Solar da Boa Vista (Engenho Velho de Brotas) para inscritos de 12 a 18 anos. Serão oferecidas 25 vagas em cada um deles e a inscrição é gratuita e online, através do site www.tabuleiroproducoes.com.br em período a ser divulgado. Serão abordados os seguintes temas: história do cinema, linguagem do curta-metragem, fotografia, roteiro, direção e montagem, com a produção de um curta-metragem como resultado de cada oficina.

A programação apresentará um vasto conteúdo composto por debates sobre questões referentes à produção audiovisual e à política audiovisualista nacional. Para compor a programação de debates, além dos responsáveis pelos filmes, serão selecionados – e convidados - profissionais de cinema e audiovisual interessados em discutir a questão.

A Mostra Nacional Curto Encontro 2011, será composta exclusivamente por produções inscritas e selecionadas através desse regulamento, e também por produções de realizador homenageado selecionado pela curadoria.

Os filmes selecionados para a Mostra Curto Encontro serão submetidos à júri popular, em forma de votação que ocorrerá diariamente em todas as cidades exibidoras e na internet, no site www.tabuleiroproducoes.com.br, onde os vídeos estarão disponíveis para visualização e votação.

Serão oferecidos aos três vídeos vencedores:
1º lugar: R$3.000,00 (três mil reais) + troféu
2º lugar: R$2.000,00 (dois mil reais) + troféu
3º lugar: R$1.000,00 (hum mil reais) + troféu

Os dez vídeos mais votados ganharão programas especiais sendo exibidos na TV Educativa da Bahia (TVE) e na Sala Walter da Silveira (DIMAS) e compondo o acervo de vídeos da Mostra Curto Encontro no site.










Cinema

Montes Claros realiza 2º Festival 


A bela Praça da Matriz será o cenário do Festival
 O 2º Festival de Cinema de Montes Claros acontecerá entre os dias 17 e 22 de Maio de 2011 no Centro Cultural Hermes de Paula e no CineTenda - Cidade Velha (ao lado do novo e restaurado Casarão da Família Versiani – Maurício).

O 2º Festival de Cinema é um projeto crescente, patrocinado pela Petrobras e tem como objetivo promover a socialização e o conhecimento através do Cinema. O Festival apresentará filmes de consagrados diretores brasileiros, assim como de diretores da região na "Mostra Digital Norte Mineira".

O Festival contará com uma diversificada programação dividida em Mostra Competitiva de Curtas e Longas Metragens (concorrendo a premiação mediante Júri Popular), Mostra de Filmes Infantis e Mostra Digital Norte Mineira. As sessões serão gratuitas, abertas a toda comunidade.

As instalações do Festival de Cinema ocuparão todo o Centro Histórico do Corredor Cultural, compreendendo o entorno da Praça Dr. Chaves e Igreja Matriz, Rua Dona Eva, Casarão da FAFIL – UNIMONTES, Casarão Versiani-Maurício, Rua Cel. Celestino, Casarão Dulce Sarmento e Rua Justino Câmara.

Será montado espaço de projeção no Centro Cultural Hermes de Paula (Auditório Cândido Canela), além das sessões ao ar livre no Cine Tenda - Cidade Velha.

Incentivando a produção audiovisual local o Festival promoverá a Mostra Digital Norte Mineira, onde serão selecionados curtas de diretores do Norte de Minas.

Além de sessões de filmes, o Festival oferecerá oficinas gratuitas em “Roteiro” e “Interpretação para Cinema”. As vagas são limitadas e os participantes passarão por um processo seletivo a partir das informações discriminadas na ficha de inscrição enviada à produção do Festival.

No site oficial www.festivalcinemamontesclaros.com.br encontram-se disponíveis o regulamento da Mostra Digital Norte Mineira e Formulário de Inscrição para as Oficinas.

OFICINAS
A programação inclui oficinas de Roteiro – realizada por Di Moretti, de 19 a 21de maio; Interpretação para Cinema – realizada por Mallú Moraes; de 16 a 21 de maio. As inscrições para as oficinas são gratuitas e estão abertas no site do festival.

CONVIDADOS
O Festival trará convidados especiais dos filmes exibidos na mostra competitiva de Curtas e Longas. Estarão presentes atores e cineastas consagrados do cinema nacional.

O título do Troféu Guimarães Rosa é uma homenagem do festival ao escritor que inspirou roteiros de grandes filmes através de sua linguagem característica sobre o homem das Gerais. Será oferecido um troféu aos diretores e idealizadores dos filmes vencedores das Mostras Competitivas de Curtas e Longas e ao vencedor da Mostra Digital Norte Mineira.

No encerramento do Festival um representante da família do montes-clarense Darcy Ribeiro (foto) e o diretor do filme Meia Hora com Darcy receberão o troféu Guimarães Rosa.

A Mostra Competitiva Curtas e Longas conta com a participação do público no com votações ao final de cada sessão. O resultado será divulgado no encerramento do Festival de Cinema.