terça-feira, 29 de novembro de 2011

Orquestra Sinfônica de Montes Claros

Concerto com violinista traz nova perspectiva para profissionais da música


Na última sexta-feira (25), os montes-clarenses assistiram a um concerto do mais alto nível já apresentado na cidade pela Orquestra Sinfônica de Montes Claros (OSMC), sob a regência da maestrina Maria Lúcia Avelar.

O violinista alemão Frank Haemmer (chefe de Naipe de Orquestra) e integrante da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais foi o grande convidado da noite.

Durante três dias, Frank Haemmer realizou um masterclass para aproximadamente 40 músicos e estudantes do Conservatório Estadual de Música Lorenzo Fernândez (CELF) e demais escolas da região.

Oportunidade para que os profissionais aperfeiçoassem suas técnicas com um dos melhores violinistas da Filarmônica de Minas Gerais. Foi um momento de troca de experiência sob a avaliação de um profissional orientador para um bom aproveitamento prático e teórico.

O foco do Masterclass foi em “Técnicas de Interpretação Barroca no Violino”, especialmente as composições dos músicos Antonio Vivaldi e Johann Sebastian Bach.

Música como “As Quatro Estações” e “Concertos para dois Violinos”, “Concerto para quatro violinos” e “Concerto de Lá menor” foram executadas e ao final da interpretação, a OSMC foi aplaudida de pé por toda a plateia que dizia “Bravo” e pedia “Bis”.

10 ANOS OSMC
As orquestras estão em constantes mudanças no seu quadro de músicos, o que é normal. No caso específico da OSMC, pelo fato de Montes Claros estar engatinhando ainda na formação de violinistas (o curso se firmou a pouco mais de 10 anos) existe a necessidade de estar constantemente promovendo cursos de capacitação, os chamados Masterclass.


Desde 1979 professores vêm de outras partes do país para o masterclass de Violino. Porém, na medida em que o profissional iria se aperfeiçoando, acabava recebendo propostas melhores para ministrar aulas em Belo Horizonte e outras cidades, e o curso novamente dava uma caída.

A retomada ocorreu a mais ou menos uns 15 anos, se firmando com o professor Manoel Thiago. “Esta prática de se trazer professores de fora ainda continua, mesmo hoje, com bons professores no Conservatório Estadual de Música Lorenzo Fernândez. O violino é a base de uma orquestra, e por tal motivo, o aprendizado desse instrumento é um dos mais difíceis e requer muita prática”, conta Maria Lúcia Avelar.

“São estes cursos que nos possibilitam ousar mais na escolha do repertório e no grau de dificuldade das obras. E os músicos que estão na orquestra há mais tempo, pois já participaram de vários masterclasses em anos anteriores, com este projeto puderam atuar também como ministrantes”, informa a diretora Maria Lúcia Palma Avelar.

A diretora da OSMC faz uma análise sobre o processo de crescimento da Orquestra. “A análise sobre a trajetória de 10 anos da Orquestra é bastante positiva. Os patrocínios aos nossos projetos têm sido um meio eficaz de viabilização de projetos que atendam nossas necessidades. Ganham com isto, não apenas nós músicos, que melhoramos nossa qualidade técnica, mas nossa cidade com o crescimento da sua Orquestra”, informa a maestrina responsável pela OSMC.

PARCEIROS
Os amantes da chamada música clássica se beneficiam com o desenvolvimento e as parcerias neste momento são fundamentais. “Nós temos empresas que foram e têm sido parceiras em nosso processo de crescimento.

A Novo Nordisk e o Banco do Nordeste do Brasil sempre nos patrocinaram. E nesse ano, o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) que se uniu ao BNB e ao Governo Federal, através da Lei de Incentivo à Cultura para nos dar mais esta oportunidade. Se não fosse este projeto aprovado em 2010, nosso ano teria sido ‘magro’ no que diz respeito à produção artística e cultural”, explica a diretora da OSMC.

NOVOS PROJETOS
A Orquestra Sinfônica de Montes Claros através da Fundação Cultural Marina Lorenzo Fernândez, aprovou um novo projeto junto ao Ministério da Cultura (MinC) e que será executado a partir do inicio de 2012.

“Aguardamos ansiosos a captação de recursos, pois nossa agenda já está toda programada e posso garantir que a cidade de Montes Claros e região terão um ano repleto de concertos e atividades a serviço de nossa sociedade, sobretudo aos amantes da música clássica”.

Como parte integrante da nossa programação, acontecerá em Dezembro, o tradicional Concerto de Natal, quando presentearemos a cidade com um belo espetáculo. É importante ressaltar que a captação de recursos para realização desse evento ainda não foi concluída. Diante disso, contamos com o apoio de possíveis patrocinadores, que contribuirão para o Natal dos 10 anos da Orquestra Sinfônica de Montes Claros”, finaliza a maestrina.

Outras informações sobre a OSMC pelo site: www.sinfonicamontesclaros.com.br ou através do telefone (38) 3221-4466 falar no Departamento Cultural.

domingo, 27 de novembro de 2011

Câncer de mama

Unimontes tem a dança como resgate da autoestima no tratamento


A dança está servindo como terapia para elevar a autoestima de mulheres com câncer de mama, o que ajuda no tratamento da doença. Foi montado um grupo de dança, integrado por 20 pacientes assistidas pelo projeto de extensão “Vida Presente”, que atende 50 mulheres diagnosticadas com câncer de mama, desenvolvendo atividades físicas, terapias de grupo e recreação. A iniciativa é do departamento de Educação Física da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).

As integrantes do Grupo “Vida Presente” participaram do espetáculo coreográfico “Mulheres brasileiras, mulheres guerreiras”, apresentado na última sexta-feira (25/11), no auditório da Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene (Amams), durante o encerramento do 3º Encontro Norte-mineiro de Combate ao Câncer. Contando com o apoio da Unimontes, a promoção foi inserida nas comemorações do Dia Nacional de Combate ao Câncer (27 de novembro).

O espetáculo foi montado com o apoio dos professores José Roberto Lopes de Sales (que também é coreógrafo), Milton Chaves e Alessandra Ribeiro, do departamento de Educação Física. As 20 mulheres assistidas pelo Projeto “Vida Presente” representaram danças típicas das diversas regiões brasileiras usando figurinos das manifestações como baianas, dança de São Gonçalo, xaxado, índias, forró (“caipira”) e a dança gaúcha. Ao final da coreografia, houve a entrada de uma das mulheres, caracterizada de Carmen Miranda, ao ritmo da música “Aquarela do Brasil”, de Ary Barroso.

GUERREIRAS
“No grupo, contamos com a participação de 20 mulheres que são verdadeiras guerreiras na luta contra o câncer de mama”, afirma a professora Claudiana Donato Bauman, coordenadora do projeto “Vida Presente”. São atendidas as mulheres do “Projeto Presente”, ação filantrópica voltada para o acolhimento de pacientes de baixa renda que enfrentam o tratamento do câncer de mama.

Por intermédio do projeto de extensão da Unimontes, iniciado em 2005, as pacientes participam de atividades de terapia e recreação duas vezes por semana, no Serviço Social do Comércio (Sesc) – em Montes Claros. “As atividades desenvolvidas ajudam a elevar a autoestima das mulheres submetidas ao tratamento do câncer de mama, evitando que possam enfrentar algum processo de depressão. Desta forma, proporcionam às mulheres uma melhor qualidade de vida, tanto física como psicologicamente”, avalia a professora Claudiana Bauman.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

The Pholhas

Grupo se apresenta pela primeira em Montes Claros nesta sexta-feira



A grande pedida desta sexta-feira é o show do The Pholhas, em Montes Claros e que faz o convite é o colega jornalista Wesley Gonçalves. Confira:

Chegou o grande momento. Montes Claros vai conferir o show de uma das bandas mais importantes do cenário nacional, The Pholhas. A apresentação será às 22 horas, no Buffet Duca e Nazareth Prates.

Ao longo de 42 anos de carreira e com repertório invejável de 17 discos, entre vinil e CD, a Banda Pholhas ainda continua sendo solicitada para se apresentar em várias cidades do País e do exterior. Os últimos shows da banda foram nas cidades de Teresina (PI) 21/10; Chapadinha (MA) 22/10; Natal (RN) 28/10 e Campina Grande (PB) 29/10. Foram de lotação.

Com repertório bastante variado, o grupo mostra ao logo de pouco mais de duas horas de show, seus antigos sucessos: My Mistake, Forever, Who’ll Stop the Rain, She Made Me Cry entre outros, além de fazer uma releitura musical de clássicos do rock inglês e norte-americano, passando por Bee Gees, Creedence Clearwater Revival, Elvis Presley, Rolling Stones e Beatles.

A banda que foi criada em 1969, iniciou sua carreira como covers de grupos dos EUA e Inglaterra e passou a compor também em inglês e coleciona discos de ouro e várias premiações.

O produtor cultural Ildeu Gonzaga, da ISA Captação Artística, explica que a história musical dos Pholhas está ligada a vida de muitos montes-clarenses.

“Uma banda que tem uma história musical que ultrapassa quatro décadas tem que ser vista e revista por essas gerações, a que te viu nascer e a que nasceu ao longo dos seus 42 anos de existência. A realização deste show inédito em Montes Claros é um sonho que foi acalentado há anos, por mim e por centenas de fás locais e que só agora será concretizado”, comentou.

Ainda segundo Gonzaga, falar de música no Brasil tem que abrir um parêntese para a Banda Pholhas, que conseguiu destaque no cenário “Pop” musical nacional, pois sempre mostrou um trabalho de qualidade, comprovado tanto nas gravações quanto nos shows que fazem por todo país e na América do Sul.

Para garantir maior comodidade ao público, a ISA Captação Artística conseguiu junto ao Buffet Duca & Nazareth que os produtos que ali forem servidos e consumidos poderão ser pagos com cartão de crédito.

Desde o final de 2007, com a saída definitiva de Hélio Santisteban, que o grupo é formado por Bitão, Paulinho e João Alberto que resolveram não ter mais um tecladista fixo, mas sim um tecladista especialmente convidado para cada apresentação. Essa fórmula deu tanto certo que virou um atrativo a mais dos shows.

“A importância dos parceiros é total. Sem parceiros fica impossível a realização de qualquer evento. Tenho o maior orgulho de possuir parceiros leais como: 98,9 FM; 93,5 FM, TV Geraes; site Bem na Net; Sociedade Rural; Sapataria do Futuro; Celsom; Pintar Express; FW Veículos e Mc Squash.

Outras informações sobre a banda Pholhas no site: http://www.pholhas.com.br.

Patrimônio histórico ameaçado

Igreja mais antiga de Minas pede socorro


A notícia de hoje nos chega através do colega fotógrafo e jornalista Manoel de Freitas, um grande observador das belezas e riquezas do Norte de Minas.  Na pauta, a Matriz de Nossa Senhora da Conceição, em Matias Cardoso, considerada a mais antiga de Minas Gerais.

Tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional em 1954, a igreja está em avançado estado de degradação, desmoronando todo dia um pouco, ferindo de morte um conjunto de bens culturais de valor incalculável, além de colocar em risco a vida dos fiéis. A história da Igreja Matriz de Matias Cardoso está ligada a incursões de bandeirantes paulistas no sertão mineiro em busca de ouro e pedras preciosas. Januário Cardoso foi o principal benfeitor do arraial, assim como edificador da igreja, provavelmente construída entre 1670 e 1673.

Daí é inadmissível que continue sendo protelado seu processo de restauração, anunciado nos quatro últimos anos pelos deputados que integram a bancada de Minas na Assembléia Legislativa e na Câmara Federal, e, sobretudo, pelo prefeito reeleito João Cordoval de Barros, o “João Pescador”. O chefe do executivo de Matias chegou a anunciar que a verba para o restauro do maior patrimônio do município estava garantida junto a Petrobrás, dependendo apenas de “algumas assinaturas”.

O certo é que, na sexta-feira da semana passada, apenas três fiéis acompanhavam a missa na Matriz de Nossa Senhora da Conceição, padroeira da cidade. De modo que a ameaça de desabamento, de ruir o teto ornamentado por obras de artes de reconhecido valor no mundo inteiro, cada dia mais afasta os católicos da curiosa edificação em forma de fortaleza, em alvenaria, com tijolos requeimados. Mais curioso ainda é que, a despeito de tamanha fragilidade, com o objetivo de homenagear personalidades, no dia 8 de dezembro, quando se celebra a festa de sua padroeira, se transforma em “Capital de Minas”, ensejando a entrega de mais de 100 Medalhas de “Maria da Cruz e Mathias Cardoso, Comenda Civismo e Consciência dos Gerais”.

A situação é tão caótica que, segundo o Jornal da Serra Geral de Minas, com sede em Janaúba, durante o período chuvoso o padre Adailton Oliveira da Costa celebra as missas usando guarda-chuva, face às inúmeras goteiras. Um verdadeiro atentado ao passado de Minas, estampado em seu rico interior, em suas torres laterais quadrangulares, no muro com colunas nos ângulos e nos portões e na sucessão de arcos semicirculares, formando um avarandado no térreo, sob os corredores superiores.

Sua importância histórica - no entorno surgiu o primeiro povoamento e núcleo urbano de Minas Gerais, - não tem sido suficiente para garantir a restauração da Matriz de Nossa Senhora da Conceição, construída pelos jesuítas no século XVII. E o descaso é tão antigo como a edificação: desde que foi erguida, passou por uma reforma, em 1912, e conserto e pintura, em 1998, realizados pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha).

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Estações Musicais

Projeto de volta em única apresentação


Nesta sexta-feira (18), às 19h30, no espaço de eventos da OAB, a Unimontes realiza mais uma edição do projeto Estações Musicais, com o concerto “Eternamente Gershwin”. A apresentação única será aberta ao público, com entrada gratuita.
O professor Fábio Carvalho é diretor-executivo do projeto e salienta a escolha do tema para esta sessão: “fazemos um tributo à imortalidade da música do compositor George Gershwin, cuja qualidade permanece incontestável até os dias de hoje”. Ele destacou ainda que “nenhum outro músico norte-americano, em sua época, soube mesclar tão harmonicamente estilos diferentes como o blues e o clássico, o jazz e o gospel”.

QUATRO ANOS

O projeto Estações Musicais Unimontes foi implantado há quatro anos, a partir de ações desenvolvidas pelos professores do departamento de Artes da Unimontes e do Conservatório Estadual de Música Lorenzo Fernandez. A coordenação do projeto é da professora e pianista Thalita Peres, com o envolvimento de solistas, cantores e instrumentistas das duas instituições.

Nesse período, foram apresentados os concertos: “Alma Latina”, “Ópera no Outono”, “Invierno Porteño”, “Noite de Luz”, “Imaginária Primavera” e “Uma noite na Broadway”, todos com sucesso de público.

No concerto “Eternamente Gershwin”, segundo Fábio Carvalho, serão apresentados os 14 dos maiores sucessos compostos pelo norte-americano, “a maioria extraída de musicais da “Broadway”, que levam o público-ouvinte a uma viagem de estilos diferenciados, mas integrados entre si. Da ópera “Porgy & Bess” ao musical “Of thee I sing”, o espetáculo apresenta canções como “I love you Porgy”, “Summertime”, “Soon”, “Embraceable You” e “I´ve got a crush on you”.