quarta-feira, 27 de julho de 2016

Festas de Agosto



Fé, cultura e arte

Montes Claros se prepara para a 177ª edição da mais tradicional festa da região

  
Montes Claros já está se enfeitando para a Festa (Foto: Fábio Marçal)

Já está definida a programação religiosa das tradicionais Festas de Agosto de Montes Claros. Promovida pela Secretaria Municipal de Cultura, a festa entra na 177ª edição e será realizada paralela ao 38º Festival Folclórico. As Festas de Agosto reúnem tradição e religiosidade através dos grupos de Catopês, Marujos e Caboclinhos, expoentes dos povos e raças que compuseram a formação do povo montes-clarense.

A abertura oficial do evento será na terça-feira, 16/08, às 20h, no Centro Cultural Hermes de Paula. Na quarta-feira (17), será erguido o Mastro de Nossa Senhora do Rosário, a partir das 21h, na Igreja de Nossa Senhora do Rosário. No dia seguinte, o reinado de Nossa Senhora do Rosário será celebrado a partir das 10h, com saída da praça Dr. João Alves.

Na noite do dia 18h é a vez do mastro de São Benedito ser erguido. O evento será a partir das 21h. No dia seguinte a celebração do reinado de São Benedito também será às 10h com saída da praça Dr. João Alves.

No dia 19 será erguido o último mastro, o do Divino Espírito Santo. A cerimônia será às 21h na Igreja de Nossa Senhora do Rosário. Como nos outros, o reinado será celebrado no dia seguinte a partir das 10h pelas ruas do Centro.

Assim como nos anos anteriores, no domingo, 21, será realizado o Encontro Mineiro de Ternos de Congado, que terá início a partir das 10h na Associação dos Grupos de Catopês, Marujos e Caboclinhos. Às 16h uma procissão deverá encerrar a programação religiosa da festa, com um percurso que será traçado pelas principais ruas do Centro da cidade.

Exposição de bonecos



O Circo da Vida

Exposição em cartaz, no Museu Regional do Norte de Minas, em Montes Claros



Figuras da mitologia grega, personagens de filmes e nomes conhecidos da cultura pop e da história brasileira estão representados em uma exposição de bonecos no Museu Regional do Norte de Minas, administrado pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). A mostra “O Circo da Vida”, do artista plástico e professor de artes visuais Marcelo de Castro Dettogni, poderá ser conferida até 5 de agosto, com entrada gratuita.

A exposição reúne 21 bonecos. Estão representadas figuras mitológicas como Zeus, o Deus do Olimpo, personagens de filmes infantis como Simbad, a cantora Carmen Miranda e personagens típicos da cultura e da história brasileira como Lampião e Maria Bonita, a “negra rezadeira” (do Rio São Francisco) e o Deus Tupã (figura indígena).

VIVÊNCIAS
O artista plástico Marcelo de Castro Dettogni salienta que elaborou os bonecos a partir da sua vivência e de filmes que acompanhou desde a infância e na adolescência. “Vivi a infância nos anos 1980, geração que cresceu em frente à televisão recebendo influências da “Cultura Pop”. Foi uma época em que existia muita programação voltada para o público infantil, com seus desenhos animados e programas apresentados por bonecos (Muppets), que me encantavam”, disse o artista.

Dettogni revela, ainda, que se admirava também com os filmes da “Sessão da Tarde” que insistia em reprisar grandes aventuras dos anos 50, 60 e 70 “como Simbad e o Olho do Tigre, As Sete Faces do Dr. Lao, Fúria de Titãs, Star War e tantos outros, com todo aquele mistério, magia e criaturas monstruosas, germinando em mim o gosto pelo cinema, mitologia grega, pela arte de desenhar, por todas as artes de uma forma geral”.

O artista continua: “daí nasceu meu encantamento por bonecos e, como resultado, esta exposição que resolvi intitular de “O Circo da Vida”, em que apresento tipos diversos, como num circo de atrações exóticas que despertam ao mesmo tempo medo, curiosidade e fascinação, onde o mestre de cerimônias é um velho mandarim chinês que anuncia suas atrações sem revelar como as reuniu ao longo dos anos ou séculos... Ninguém sabe”, afirma o artista.

Ele também comenta sobre as figuras representadas na exposição de bonecos. “Desde a mulher mais gorda do mundo até Zeus, o deus dos raios e trovões, passando por Carmem Miranda representando o exotismo da América da Sul até “a melindrosa” dos anos 20 e porque não uma velha feiticeira que pode ver seu passado, presente e futuro; uma misteriosa gueixa de gestos delicados vinda do distante Japão, criaturas nunca vistas pelos olhos humanos como o centauro, até chegar aos personagens típicos do nosso Brasil, como o deus Tupã, a negra rezadeira que lava roupas no rio São Francisco, Lampião e Maria Bonita, figuras tão encantadas quanto qualquer outra.”

SERVIÇO

Exposição de bonecos O Circo da Vida
Artista plástico Marcelo de Castro Dettogni
Onde: Museu Regional do Norte de Minas - Rua  Coronel Celestino, 75, Montes Claros
Até quando: 5 de agosto – horário das 8h30 às 18 horas
Entrada: gratuita

terça-feira, 26 de julho de 2016

Festival Circuito Lago de Irapé



DIAMANTE ENCANTADO

Canção inspirada nas riquezas e memórias de Botumirim vence o 3º Festival Circuito Lago de Irapé

Deborah Rosa e Rafael Nassau, vencedores do Festival

A composição “Diamante Encantado”, do montes-clarense Rafael Nassau, foi a vencedora do III Festival da Canção Circuito Lago de Irapé, realizado dentro da programação do Festival de Inverno de Grão Mogol (Norte de Minas). Além da premiação de R$ 5 mil e de troféu, o campeão terá o seu trabalho registrado em um CD especial, que será lançado a partir das gravações feitas durante o Festival.

O Festival da Canção reuniu artistas de várias partes do Estado, com 14 concorrentes em apresentações abertas ao público na sexta-feira e no sábado (22 e 23/7), na Praça Beira Rio. No total, foram distribuídos R$ 15 mil em prêmios, valor inédito nestas três edições do evento.

A música campeã foi interpretada por um quinteto, formado pelo próprio Rafael Nassau (percussão e voz), Deborah Rosa (voz), Daniel Aguiar (violão), Pablo Barata (violoncelo) e Elcid Monteiro (percussão). A letra, segundo ele, foi inspirada nas próprias experiências de criança e de adolescente. “Nasci em Montes Claros, mas passei grande parte de minha vida ligado a Botumirim, uma cidade que faz parte do circuito do Lago do Irapé. Procurei falar de minha própria história, resgatando as paisagens de serras, rios e cachoeiras; um verdadeiro encanto para quem teve o privilégio de conhecê-las”, disse o autor.

O vencedor, de 35 anos e autodidata em música e instrumentos, lembra que “Diamante Encantado” foi composta em apenas três dias, justamente depois de uma experiência no próprio festival. “Concorri na edição anterior e terminei na quarta colocação. Ainda estava no clima do festival quando resolvi compor e gostei muito do resultado, que resolvi guardar a música para concorrer neste ano. Muito bom vencer um festival como ele que valoriza pessoas e histórias de nossa região. Parabéns a todos os envolvidos em sua organização”, finaliza Rafael.

A canção “Ao que Vale”, de Ramon Gonçalves, conquistou o segundo lugar geral (premiação de R$ 4 mil). A terceira colocação geral foi de Jukita Queiroz, autor e intérprete de “Coração do Sertão Mineiro”, que recebeu um prêmio de R$ 3 mil. Ronaldo Tobias, com “Espinhaço”, foi o quarto colocado (R$ 1,5 mil em prêmio) e André Águia, com “Choro de Chica”, foi o quinto colocado (R$ 1 mil).

Mateus Sizílio, com a música “Menino do Lago”, recebeu a premiação extra de R$ 500,00 de melhor intérprete.

Igor Coimbra, da Coordenadoria de Extensão Cultural da Unimontes e organizador do Festival da Canção, explica que todos os 14 participantes farão parte do CD – gravado ao vivo durante os dois dias de apresentações. “O balanço do festival foi altamente positivo, a começar pela qualidade das produções musicais e pelo envolvimento do público”, destaca o coordenador. Ele lembra que todas as composições estiveram associadas às temáticas regionais do Norte de Minas e do Vale do Jequitinhonha, culturais e históricas.

O Festival da Canção Circuito Lago de Irapé é organizado pela Universidade Estadual de Montes Claros, por intermédio da Pró-Reitoria de Extensão, e Prefeitura e Secretaria de Cultura de Grão Mogol com o apoio do Governo de Minas Gerais.

sábado, 23 de julho de 2016

Brasília de Minas



8º Festival do Beiju marca as comemorações de aniversário da cidade
Além da confraternização e diversão, o Festival é uma oportunidade de geração de renda para os microempreendedores individuais do município
 


POR JERÚSIA ARRUDA


Desde a última sexta-feira, a cidade de Brasília de Minas, no Norte de Minas, está em festa.  Mas uma festa diferente, aquela que celebra, de um jeito simples e acolhedor, a cultura, a arte e os costumes de uma população acostumada à vida do interior, simples e rica em valores.

O motivo dessa festa é a comemoração dos 122 anos da cidade que nasceu Arraial de Contendas, se tornou Vila de Brasília, até chegar a Brasília de Minas, a Brasilinha norte-mineira, palco de tantas histórias e com tanta importância para região e para o Estado.

As comemorações de aniversário começaram na sexta-feira (15), com a abertura do 8º Festival do Beiju e Culturas Tradicionais, que vai até 25 de julho. Desde então, quem sai à noite pelas ruas da cidade, encontra, em pontos estratégicos, beijus dos mais diversos sabores, produzidos pelos moradores da cidade, muitos deles empreendedores que têm na produção do beiju sua principal fonte de economia.

Além dos beijus, que abrem espaço para o microempreendedor colocar em prática seus talentos, o Festival também tem uma programação festiva, com atrações musicais e apresentações culturais.

- Brasília de Minas tem uma cultura muito rica, com raízes tanto na cultura tradicional e folclórica, quanto nas manifestações artísticas mais modernas. Para comemorar essa importante data, de 122 anos da cidade, estamos unindo todas essas manifestações culturais, reunindo o povo brasilminense em torno de sua própria história – explica o prefeito Jair Oliva Júnior.

O prefeito destaca que, mais que diversão, o festival é uma oportunidade para geração de renda.

- O município aderiu à Lei Geral do Microempreendedor Individual e, com isso, já foram formalizados mais de 300 micro e pequenos empresários em diversas atividades econômicas, e o Festival, por reunir milhares de pessoas, se configura como uma oportunidade para esses microempreendedores apresentarem e comercializaram seus produtos – observa Oliva.

Mas o grande destaque do festival é mesmo o beiju, e Brasília de Minas tem grande potencial no cultivo da mandioca, matéria-prima para sua fabricação.

- Trabalho com produção de beiju há dois anos. Fiquei muito feliz em ser convidada para comercializar meus produtos no Festival, que é uma porta de entrada para aumentar minhas vendas e me tornar mais conhecida. É realmente uma oportunidade excelente para apresentar os novos sabores, dentre eles o de carne seca, o mais pedido – avalia Maria Rita, microempreendedora individual.

Gisele Ramos é de Brasília de Minas, reside em Belo Horizonte e veio para a cidade justamente para participar da festa.

- Estou encantada com o nível de organização do Festival. Faz um bom tempo que não vinha a minha cidade, me surpreendi. Inclusive não gostava de beiju, mas fiquei encantada com a forma como é feito e, principalmente, com a variedade de sabores, muito diferente do que conheço na capital. Quero voltar mais vezes e me sentir tão à vontade como neste ano.

PROGRAMAÇÃO
No palco do Festival, montado na Praça da Matriz, já passaram artistas como Tino Gomes, Reinaldo (Terra Samba), Tiritrio, a dupla Alex e Rafael, Ely Pinto, Léo Mattus, as bandas Chamego Bom, Aos Trapos, Etimologia, Raízes do Forró, entre outras atrações.

Na Casa de Cultura Contendas, foram apresentados o espetáculo circense Titetê em Conserto, teatro com o grupo Tuia e espetáculo de danças tradicionais – Gingados Frevo e Improviso. O Festival também realizou o Encontro de Motociclistas e show de Wheeling.

Todos os dias, a partir das 18 horas, as barracas oferecem aos brasilminenses e visitantes, bebidas e comidas típicas da região, além, é claro de muitos beijus.

A programação continua nesta quinta-feira (21), com apresentação do espetáculo circo teatral ‘Os Satimbancos’, às 20h, na Casa de Cultura Contendas, e às 21h30, tem show com Dy Brasil e Banda Arroz com Pequi, na Praça da Matriz.

Na sexta-feira (22), às 20h, espetáculo teatral Iroko Pequi, e às 21h30, Festival Viola dos Gerais. No sábado (23), shows com a banda Cheiro de Pimenta e Mr. Vibe, a partir das 21h. No domingo (24), às 21h30, tem espetáculo cênico-musical com Saulo Laranjeiras e, às 23h30, show com a banda Balancê.

Encerrando a programação, na segunda-feira (25), às 21h, show com Marina e a Outra Banda da Lua, e banda Baião Tropical, às 23h30.

Na terça-feira (26), dia do aniversário da cidade, a programação é especial, a partir das 18h, com levantamento do Mastro e Missa Campal em homenagem à Padroeira Senhora Sant’Ana, comemorando, também os 184 anos da Paróquia.

- Toda a programação é gratuita e contamos com a participação de todos, para comemorar o aniversário da nossa cidade – convida Ricardo Simões, secretário municipal de desenvolvimento, Cultura e Juventude.

BRASÍLIA DE MINAS

A primitiva povoação tem origem no desmembramento freguesia de Morrinhos, a mais antiga da margem do rio São Francisco. Com o desmembramento, é criada a paróquia de Sant’Ana de Contendas. A história conta que esta denominação se deve às desavenças entre os habitantes sobre a escolha do local onde seria construída a igreja.

O Arraial de Contendas foi elevado à vila em 1890. Em 1901, passou a ser chamada Vila de Brasília e, em 1923, teve o nome reduzido para Brasília. Com a transferência da Capital da República para o Planalto Central, conforme historiadores do Município, a cidade cedeu gentilmente seu nome para a futura capital, em um acordo político entre o presidente Juscelino Kubitschek e o então prefeito, Dr. Cassiano Alves de Oliveira.

Para não abrir mão totalmente do nome, decidiu-se, em 1962, através da Lei 2.694, apenas acrescentar o adjunto ‘de Minas’, se tornando Brasília de Minas.

Vizinho a dos municípios de Luislândia, Mirabela e Japonvar, Brasília de Minas se situa a 54 km a Sul-Leste de São Francisco a maior cidade nos arredores, O município é composto por cinco distritos: Fernão Dias, Vila de Fátima, Angicos de Minas, Retiro de Santo Antônio e Vargem Grande.